Parceria
SIGMA CAMISETAS
Votação

Quem você quer entrevistar?

64% 64% [ 9 ]
36% 36% [ 5 ]

Total dos votos : 14


Para sempre: você [dedicado para Vaanny/ por Denise e Keroll]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Para sempre: você [dedicado para Vaanny/ por Denise e Keroll]

Mensagem por Den!se ;D em Ter Jul 31, 2012 5:06 pm

Nome da fanfic: Para sempre: você
Classificação: Livre
Tipo: short fic
Shipper: Vanessa/ Damon
Resumo: Um lado de Damon Salvatore que ele insistia em manter escondido é trazido à tona quando ele conhece Vanessa. Como será esse Damon?
Então gente a fic além de alguns personagens de TVD também possui personagens de Supernatural, Fallen, Crepúsculo, e também alguns originais da minha fic ( Brilho Eterno), da fic da Keroll (Love Never Dies) e da Vaanny (Tempestades Furiosas/Estrela da Escuridão).
Espero que gostem pessoal e mamys eu e a Keroll fizemos com muito carinho especialmente pra você.


Para sempre: você
Os dedos da garota enterraram-se no tecido macio. Seus olhos fecharam-se, enquanto correntes de expectativa a envolviam por completo. Nem mesmo o melhor dos sonhos poderia alcançar tamanha perfeição em que era a realidade em que estava vivendo. Respirou fundo. Ondas de emoções indefinidas a dominavam. Ela queria chorar. Ela queria rir. Ela queria os dois, mas simplesmente estava nervosa de mais para ambos.

Abriu os olhos, erguendo a cabeça, respirando fundo mais algumas vezes. Não tinha porque estar nervosa, tinha? Era seu momento, o dia mais especial de toda sua vida. E o mais importante: era ele quem estaria esperando por ela. Ele, o cara que para sempre seria o único e verdadeiro dono de seu coração.

Um sorriso bobo apareceu nos lábios rosados da garota ao lembrar-se dele. Em apenas algumas horas ela seria oficialmente sua esposa, em algumas horas ela pertenceria eternamente a ele, tal como ele a pertenceria.

Não, não era exagero, ao contrário, era apenas uma mísera parte da verdade, uma parte que nem de longe era capaz de descrever cada um dos sentimentos que a embebedavam e fizessem com que cada um de seus pensamentos, de uma forma ou de outra, sempre fossem direcionados diretamente para ele.

Era tão natural, tão certo. Não entendia como tivera tanta sorte de sua vida entrelaçar-se à dele. Mesmo depois de tanto tempo com ele, ainda era surreal demais para ela acreditar que estava indo para seu casamento com o homem mais perfeito do universo, aquele que a amava incondicionalmente e indescritivelmente. Que a fazia sentir-se a única, a mulher mais especial e amada de todo o mundo.

Ela lembrava-se perfeitamente da primeira vez que seus olhares se encontraram. Os dele dois pedaços particulares de céu, os dela dois globos de chocolate derretido. Como imã seus olhos se prenderam aos dele. A mais forte força gravitacional entrava em ação: o amor.

A garota sentiu uma inclinação e levantou os olhos. A carruagem havia acabado de virar a esquina e entrado na rua da catedral.

Sim, ele pensará em todos os detalhes. Em cada mínimo detalhe em busca da mais genuína perfeição.

A carruagem de um branco imaculável ganhava um tom mais clássico com o dourado das rodas e dos entalhes trançados por diversas partes, desde a cobertura até as laterais das pequenas janelas.

Vanessa deslizou os dedos pelo couro negro do assento macio. Um sorriso brincando em seus lábios delineados com um rosa claro. Um rosa que se distinguia bastante das rosas vermelhas que acompanhavam as delicadas flores brancas que terminavam de acrescentar um charme extra a carruagem, margeando suas janelas e extremidades.

Seus olhos contornados por uma linha fina de delineador, destacando-os, as pálpebras levemente pincelada pelo mais leve dos rosas, escurecendo somente nas pontas. Tudo realçado por um brilho prateado.

Sua atenção voltou-se para os dois cavalos brancos que levavam a carruagem, um porte altivo, um marchar suave, quase que gracioso seguido por o som rítmico de suas patas de encontro ao chão. As crinas dançando ao vento, livres, libertas, esvoaçantes. Magnificas. A natureza era a mais talentosa das designers.

Ao erguer mais o olhar seu coração deu um solavanco. Primeiro ameaçou parar, para em seguida disparar a velocidade da luz. Ou neste caso, a luz poderia ser considerada lenta perto de tamanha agilidade.

Suas mãos voaram para o vidro da janela por onde o crepúsculo entrava.

Ali estava. As grandes torres magnificas, a escadaria esplendorosa, as grossas e imponentes portas de madeira em um formato triangular. A enorme catedral se desenhava contra o céu, avermelhado pela despedida do sol, seu formato clássico e luxuoso.

Os olhos chocolates de Vanessa brilhavam. Nervosos, ansiosos, inquietos. Extasiados de felicidade.

Seus dedos trêmulos deslizaram sobre o vidro como se quisessem ter certeza de que tudo aquilo era real e não o mais belo e perfeito dos sonhos.

Seus olhos olhavam fascinados para cada pequeno detalhe da catedral. Cada pequeno detalhe de toda aquela realidade que a cercava formando imagens que aparentavam flutuar por sua mente em busca de um ponto de ligação. Um ponto que comprovasse que aquela era sim a realidade. A mais verdadeira realidade.

A carruagem parou. O som dos cascos de encontro ao chão silenciara-se. Ela havia chegado.

O coração da moça ameaçava sair do peito. Ela tinha total certeza de que lá dentro, o belo moreno de olhos azuis que esperava por ela podia ouvi-lo perfeitamente bem.

¨¨¨¨¨¨¨

Lá dentro da igreja, o belo rapaz de terno preto mexia suas mãos nervosamente, a respiração rápida. Ela havia chegado. Estava tão nervoso, tão ansioso.

Assim como todo o resto o interior da imensa catedral estava organizado até os mínimos detalhes. Detalhes este planejados meticulosamente.

Os grandes pilares de cores claras e aconchegantes ricamente adornados. Os bancos depositados em fileiras onde todos os convidados espreitavam ansiosos, curiosos pela chegada da noiva. As rosas vermelhas com pequenas flores brancas, como delicados flocos de neve sobre o vermelho intenso. Vermelho paixão. A mais doce e alucinante paixão. Vermelho este também presente no enorme tapete que traçava a linha da entrada até o altar, este ultimo também graciosamente decorado.

Uma iluminação bem distribuída completava o charme e a elegância do enorme ambiente, antigo e ao mesmo tempo com a graça sofisticação à nível da realeza.

-Eu não acredito, eu não acredito, eu não acredito – a garota com ondas cor de mel, que deslizavam até a metade de suas costas, se segurava para não pular no lugar em que estava perto do noivo. Seu irmão. – Você está casando, Damon. Quem diria? Você está casando – Terminou ela arregalando os profundos olhos escuros.

O moreno revirou os olhos azuis enquanto um sorriso surgia lentamente em seus lábios.

-Você está parada num altar, em uma igreja toda decorada com rosas. O que acha que acha que estamos fazendo aqui? Um velório? Como ainda não acredita?

A garota revirou os olhos bufando:

-Só estou querendo dizer que Vanessa foi tipo, sei lá, algo como uma luz no fim do túnel. Quem imaginava que Damon Salvatore, meu irmão Damon Salvatore, teria um lado tão romântico? Ah, mas antes que eu me esqueça, vocês já deixaram um quarto de visitas preparado na casa onde vão morar? Porque se pensa que vai se livrar tão facilmente de mim está muito enganado. Muito mesmo.

-Tem certeza de que vai querer passar um tempo conosco irmãzinha? - um sorriso malicioso tomou conta das feições de Damon. - Eu não me responsabilizo por nada que você possa ver ou ouvir por uns... Mil anos, mais ou menos.

A vampira se inclinou para frente ficando na ponta dos pés e dando um cascudo na cabeça do irmão:

-Se comporte, estamos em uma igreja.

O rapaz fez uma careta para a loura.

-Você tem muita força para alguém tão nanica - disse passando a mão na cabeça.

A garota sorriu travessa:

-Estou praticando Boxe, sabe como é, né? É bom saber se defender – disse rindo. – E não venha com essa de nanica, não sou tão pequena assim e hoje estou de salto – continuou, levantando um pouco o pé e mostrando a sandália de tiras para o irmão – onze centímetros, portanto hoje estou igual gente grande. – Complementou com uma piscadela.

-Pra você ver como são as coisas não é? Hoje em dia você consegue fingir que é alta, mas antigamente era do tamanho da polegarzinha - o moreno deu um sorriso irônico para a irmã.

-Algo contra as pequenas, futuro papy?

A voz da morena soou levemente irritada enquanto ela semicerrava os olhos e cruzava os braços contra o peito.

-Não futuras filhotas, nada contra vocês, mas vamos combinar que o histórico de relacionamentos da maioria das pequenas não é lá dos melhores. Olhe só o exemplo da Dê: namora uma ameba.

Damon apontou com a cabeça para o rapaz louro parado ao lado de Denise.

O louro cerrou o maxilar enquanto Denise estreitava os olhos:

-Hey, hey, hey, olha o jeito que fala do meu Samy futuro padrasto. Samuel é um lindo, perfeito, tudo de bom – terminou com um suspiro enquanto o próprio sorria cheio de si.

-Não liga futuro papy, a Dê caiu de cabeça do berço quando era pequena, sabe? -Keroll sussurrou para o moreno em um tom conspiratório. - Não é culpa da coitada.

-Ah, então é por isso que ela vê o amebinha aí como um deus grego?

-Imagem distorcida é tenso né papy?

Os dois balançaram a cabeça ao mesmo tempo, olhando para Denise.

A loira boquiabriu-se:

-Cai do berço coisa nenhuma mana, sempre dormi igual um anjinho. E não é culpa minha se vocês fingem não ver toda a perfeição inacabável do Samy, porque com certeza perfeição pra ele é o que não falta. Mas deixa quieto, assim é melhor pra mim, sobra mais Samy. – Completou sorrindo.

Keroll franziu a testa enquanto balançava a cabeça negativamente. A morena abriu a boca, pronta para retrucar as palavras da irmã, mas antes que pudesse fazê-lo, as enormes portas da catedral abriram-se, deixando a luz do crepúsculo entrar juntamente com a bela garota vestida de branco.

Todos viraram-se em direção à entrada, uma expressão que era uma mistura de fascínio e surpresa se formando em casa um dos rostos presentes. Era como presenciar a cena de um conto de fadas, levando-se em conta que a bela morena parada na entrada estava parecendo uma princesa.

Um rosa mais intenso tomou conta da face de Vanessa, todos a encaravam. Todos estavam ali. Suas filhas, Keroll acompanhada de Cam, Denise com Samuel, Giulia com Kol, Jady e Klaus, Paty com Troy. Seus netos Danielle, Clara, Feh também estavam ali, assim como suas duas mamys, Laala e Jennifer, e Vick, sua sobrinha, juntamente com Justin Hartley. A maioria de suas leitoras também estava ali, Isa, Jenny, as Juh’s, Miriam, Lu, Nanda, Jéssica, Gisa, Rafa, Thalyta, entre muitas outras.

Seus olhos desviaram-se da plateia que a acompanhava com os olhos, indo parar no belo moreno parado no altar com um sorriso extremamente caloroso para ela. Assim que seu olhar cruzou-se com o dele, tudo ao redor da garota dissolveu-se. Não havia mais nada ao redor, não havia mais ninguém. Eram apenas ele e ela.

Os olhos do rapaz arregalaram-se de surpresa ao observar a bela morena que o fitava profundamente. Ela estava indescritivelmente linda e encantadora. Não que antes ela não fosse, mas naquele momento ela estava simplesmente incrível, ele não tinha palavras para descrevê-la. As mãos de Damon começaram a suar, certo, agora sim ele percebia o quão nervoso estava. Seu coração batia tão forte contra o peito que ele estava quase com dificuldades para respirar normalmente.

Seus olhos passaram pelas mãos tremulas da noiva agarradas ao buquê de rosas vermelhas e continuaram sua analise. O vestido de uma forma ao mesmo tempo simples e clássica a deixava mais perto do que se poderia se definir de uma princesa. A mais bela de todas as princesas. A cintura bem emoldurada pelo tecido branco era completada com a mais delicada fita de cetim acompanhada de um delicado detalhe em pedras cintilantes que ao depararem-se coma luz transmitiam todas as cores, brilhando como mil facetas de diamantes. A cauda caia de um modo suave a natural, dando a sensação de movimento mesmo com a ausência do vento. Camadas de ondas que iam de um ponto abaixo da cintura até o chão, esparramando-se sobre o vermelho de uma maneira fascinante e envolvente.

Vestido:


Seu cabelo, preso para trás por uma bela tiara de diamantes, caia em ondas brilhantes de um tom chocolate, quase escondidas pelo véu que deslizava até a cintura de Vanessa de uma forma tão natural como as ondas do vestido.

Música de acompanhamento

O coração acelerado
Cores e promessas
Como ser corajoso
Como posso amar quando tenho medo de me apaixonar
Mas ao ver você na solidão
Toda a minha dúvida de repente se vai de alguma maneira

A morena caminhava de forma lenta, logo atrás de Dayne e Daniel, sua daminha de honra e seu pajem. Dayne lindamente vestida com um belo vestidinho de seda estava mais para uma boneca do que para uma garotinha, já com seus seis anos. Um belo sorriso desenhava-se em seu rostinho, encantando a todos, enquanto ela distribuía pétalas de rosas brancas e vermelhas, retiradas de uma cestinha que carregava. Daniel vestia um terninho preto com uma rosa branca no bolsinho, assim como a irmã o garotinho também sorria, de uma forma mais travessa, enquanto dava passos lentos em direção ao altar, carregando as alianças de ouro.

Um passo mais perto

Vanessa sentia como se suas pernas tivessem vida própria e decidissem por si mesmas levá-la até o altar, ao contrário não sabia se conseguiria desvencilhar seus olhos do noivo e continuar andando. Simplesmente era impossível deixar de olhá-lo. Deixar de admirá-lo. Deixar de perceber cada mínimo detalhe que o tornava perfeito.

Eu morri todos os dias esperando você
Amor, não tenha medo
Eu te amei por mil anos
Eu te amarei por mais mil


Seus olhos encheram-se dos dela, Damon já não conseguia mais prestar atenção em nada. Era apenas ela, ela que tomava cada canto de sua mente, cada mísero espaço dentro do coração do vampiro. Ele sabia que todos os anos que já havia vivido de nada havia valido. Não significavam mais nada para ele, sendo que ela não estivera com ele naqueles anos tenebrosos de sua vida. Era o agora que o importa, e ele faria tudo por ela. Tudo para mostrá-la que ele seria capaz de dar a ela todo o amor que ela merecia, eternamente, enquanto ele existisse.

O tempo fica parado
Há beleza em tudo que ela é
Terei coragem
Não deixarei nada levar embora
O que está na minha frente
Cada suspiro
Cada momento trouxe a isso


A moça fechou os olhos momentaneamente, tentando lembrar a si mesma que não devia esquecer-se de respirar, e acima de tudo tomar muito cuidado para que não tropeçasse nos próprios pés, aquilo estava se tornando uma verdadeira missão impossível, mas ela não podia deixar-se ser desastrada num momento tão importante quanto aquele.

Há quanto tempo ela vinha sonhando com aquilo? Um mês? Um ano? Sua vida toda. Sua vida toda ela imaginou quem seria a pessoa que conseguiria fazer com que seu coração acelerasse, pernas bambeassem, borboletas invadissem seu estômago, como se lhe tivessem roubado todo seu autocontrole, todo seu domínio próprio. Como se ela virasse dependente da presença desse alguém. E esse alguém era Damon. Seu Damon.

Enquanto continuava a andar lentamente, seus pensamentos encaminharam-se sozinhos a primeira vez que o viu. A primeira vez que seus olhos depararam-se com os dele.

Flashback

Vanessa fez um movimento com o pulso tentando afastar a dor. O dia sem dúvida alguma fora cansativo, mas de certa forma... Inesquecível. Por mais que sua bochecha já estivesse dolorida de tanto sorrir ela continuava a sorrir, ela simplesmente não conseguia se impedir.

Quantos leitores, fãs e futuros fãs haviam aparecido para ver o lançamento de seu primeiro livro? Quantos autógrafos ela dera?

Autógrafos. Quem diria, ela dando autógrafos.

Ampliou o sorriso levantando-se e pegando alguns dos livros que estavam em cima da mesa que ela usara para distribuir os autógrafos, e encaminhou-se para o lado da grande livraria que era destinado aos seus livros. Seus livros recém-publicados.

A garota mordeu o lábio inferior se impedindo de gritar de felicidade. Olhou em volta, as únicas pessoas estavam espalhadas, algumas pela fila do caixa, outras absorvidas na sinopse de algum outro livro.

Vanessa se assegurou que ninguém estava observando-a e deu um pulinho comemorando sua própria vitória. Mais um obstáculo vencido. Outro sonho realizado.

Chegou à estante em que ficaria os restos de seus livros que não estavam na vitrine e observou-a procurando uma brecha onde coubesse os que trouxera.

Suspirou, o único lugar vago era na fileira mais alta, o que implicava que ela precisaria de uma escada.

É claro, ela poderia pedir para alguém que trabalhasse na livraria guardar os livros para ela, mas... Bem... Eram seus babys, seus filhotinhos, sua obra de arte.

Depositou os livros em uma pilha arrumadinha sobre um dos balcões de CD’s, assegurando-se de que todos estavam seguros e não corriam riscos de cair, e foi procurar uma escada.

Não demorou em encontrar, logo estava de volta carregando a pequena escadinha branca regulável.

Colocou-a no lugar me que precisava dela, testou-a com as mãos, forçando-a para ver se estava segura e pegou metade da pilha de livro que havia trazido.

Com cuidado começou a subir, tentando manter o equilíbrio dos livros com uma mão só enquanto a outra a ajudava a subir.

Um... Dois... Três... E quatro degraus. Ufa, ela estava segura.

Começou a colocar os livros da direita, que era o local mais próximo a ela, para a esquerda. Colocou um por um com delicadeza até chegar ao último que segurava.

A garota olhou do livro para a prateleira, da prateleira para o livro, do livro para a escada, da escada para a prateleira e novamente do livro para a prateleira.

Suspirou. Não era possível que ela teria que descer da escada só para colocá-la o que devia ser um centímetro mais para a esquerda.

Não, não, ela ia colocá-lo dali mesmo, do chão ela sabia que não passaria, só precisaria tomar cuidado para não deixar seu pequeno e delicado baby, de letrinhas bem distribuídas e folhas sensíveis com cheirinho de novo, cair no chão.

A garota pegou o livro com cuidado, esticando o braço para alcançar a prateleira e colocá-lo seguro juntamente com os demais. Ainda assim, parecia insuficiente. Esticou-se um pouco mais, ficando na ponta dos pés enquanto forçava seu corpo para a esquerda. E mais, mais, um pouco mais, faltavam apenas uns poucos centímetros.

Esticou-se um pouco mais buscando finalmente depositar o livro em seu devido lugar, porém algo saiu como não planejava.

Foi como em câmera lenta, sentiu a escada deslizando, seus pés perdendo o equilíbrio, seu corpo caindo rapidamente, estava prestes a chocar-se ao chão quando sentiu seu corpo cair em algo macio e quente.

Seus olhos, até aquele instante, fechados aguardando pelo baque, abriram-se se deparando com duas esferas azuladas que a encaravam com curiosidade, diversão, e uma pitada de preocupação.

-Parece que o carinha lá de cima acabou de perder um de seus mais belos anjos, e não estou muito propenso a devolver-lhe. - Disse, com um sorriso de lado.

Seus cabelos negros contratavam com seus olhos de forma hipnotizante, e seu belo sorriso, um tanto quanto maroto, o tornava ainda mais belo e atraente. Sua pele, mesmo clara, possuía um leve bronze, o que contribuía para tirar o fôlego de quem quer que fosse. Vanessa podia sentir, pela forma como ele a apertava contra si, o peitoral musculoso, os braços fortes, o perfume que emanava da pele dele, fazendo-a delirar lentamente.

A morena percebeu que estava boquiaberta, enquanto avaliava o lindo rapaz que ainda a segurava fortemente junto a si. Lentamente, suas bochechas assumiram um tom rosado enquanto ela tentava desviar o olhar.

-Obrigada. – Murmurou dando um sorriso tímido para ele.

-Acredite princesa, o prazer e todo meu. - Disse, ampliando o sorriso de lado e dando uma piscadela, fazendo com que a garota em seus braços corasse mais ainda. - Mas diga-me, qual seu nome? Pois acredito que até mesmo os anjos possuem um nome.

-Va... Va... Vanessa, meu nome é Vanessa. – A morena gaguejou, sentindo-se afundar nos oceanos dos olhos que a encaravam.

O moreno deu um meio sorriso para a garota, colocando-a gentilmente no chão, ainda mantendo-a próxima a seu corpo. Tomou a mão pequena e macia dela delicadamente, depositando-lhe um singelo e demorado beijo, voltando a fitá-la profundamente.

-Damon Salvatore. Muito prazer em conhecê-la, Vanessa.

A garota assentiu sem saber o que dizer. Não se dera conta de que até aquele momento estava nos braços do moreno. Sentia cada vez mais o rubor apossar-se de seu rosto e pescoço, deixando-a constrangida. Seus olhos de certa forma estavam pregados aos dele sem que conseguisse desviá-los. Como dois imãs os olhos dele atraíam os dela obrigando-a a fitá-los.

Damon sorriu com o constrangimento de Vanessa, seus olhos desceram para um objeto caído no chão, a garota seguiu seu olhar e uma expressão triste tomou seu rosto ao ver seu livro caído ali. Abaixou-se rapidamente pondo-se de joelhos para pegá-lo

O moreno abaixou-se também, disposto a ajudá-la, estendeu a mão para pegar cuidadosamente o livro, quando de repente algo o surpreendeu. Vanessa não havia tido tempo suficiente de parar sua mão quando percebeu que ele também havia abaixando-se em direção ao livro, fazendo com que suas mãos se tocassem.

Algo estava errado. Muito errado. Desde quando Damon Salvatore sentia alguma coisa em um único toque?

A morena levantou os olhos que encaravam sua mão e a dele, deparando-se com o olhar confuso de Damon. Ela via algo ali, uma profunda confusão misturada com um conflito de sentimentos. Será que havia sido só ela a sentir aquilo? Aquele formigamento em sua mão, subindo por seus braços, arrepiando todo seu corpo?

O contato de sua pele com a dele trouxe como resposta uma onda de eletricidade que fez com que ficasse momentaneamente incapaz de qualquer movimento, fazendo com que ficasse estática apenas sentindo. Sentindo o que nem mesmo ela sabia dizer o que era, ou o porquê de estar acontecendo.

Os lábios de Vanessa estavam entreabertos, enquanto a respiração da garota tornava-se irregular. Ela não conseguia mover nem mesmo um único músculo, e na verdade não queria. Apenas sua mão estava em contato com a pele dele, mas já parecia o suficiente para provocar as mais incríveis sensações na jovem.

E então, parecia que Damon havia se recuperado antes dela, pegando o livro com uma mão e ajudando-a a levantar com a outra.

-Epa... – começou o moreno, encarando-a de uma forma intensa o suficiente para que a garota sentisse como se estivesse sendo radiografada – parece que desta vez fui mais rápido.

Vanessa sorriu constrangida.

Como ele havia feito aquilo? Em uma hora ele estava de pé, e na outra já estava segurando o livro. Seus olhos mal haviam tido tempo de acompanhar o movimento dele.

E por que sua mão ainda formigava?

Damon manteve os olhos por mais um momento sobre ela antes de desviá-lo para o livro, virando-o entre suas mãos.

Ela mordeu o lábio enquanto via o belo moreno olhar longamente para a capa de trás do livro. A capa onde continha sua foto, com informações sobre ela. E abaixo, a sinopse de seu primeiro livro lançado.

Ele ainda olhava longamente para a capa quando deu um meio sorriso e voltou a encará-la.

-Eu realmente não me enganei quando vi o livro na vitrine e finalmente acreditei ter achado um livro que me fizesse abandonar "E o Vento Levou".

Vanessa piscou algumas vezes, confusa.

Damon continuou:

-Quem impede a autora de cair ganha algum brinde? – perguntou inclinando uma das sobrancelhas e ampliando o sorriso.

A garota sorriu também deixando as covinhas de suas bochechas visíveis. Balançou a cabeça em sinal de rendição:

-Pode ficar com o livro. – Disse indicando com a cabeça o livro que ele ainda segurava.

-Gostei, mas acredito que esteja cansada, pelo que vejo ficou aqui a tarde toda. Então o que acha de fazermos um trato? Eu lhe pago um sorvete e sirvo de segurança impedindo que nenhuma fã doida lhe ataque pedindo autógrafo e você me diz o que lhe inspirou a escrever um livro, qual seu personagem preferido, como escolheu o nome de cada personagem. Pode dizer também qual sua cor preferida, altura, aniversário, se tem irmãos, onde nasceu, onde mora atualmente, onde quer morar, qual seu filme preferido, seu livro preferido, seu autor preferido... Se precisar posso fazer uma lista? – completou piscando.

Vanessa riu:

-Desta forma precisaria de um balde de sorvete enquanto respondo a todas essas perguntas.

-Tenho tempo de sobra, e tenho certeza de que após passar alguns segundos em minha presença você não vai mais querer se afastar. Sabe como é – segredou – sou uma companhia extremamente agradável.

Vanessa o analisou, sorrindo:

-Não costumo sair com estranhos. – Disse, sabendo que ele teria uma resposta.

-Não sou um estranho. Sou seu novo fã, e o cara que te impediu de cair e quebrar um de seus preciosos braços ou pernas. E, além disso, sou um cara extremamente charmoso que quando quer sabe ser melhor cavalheiro do que qualquer um. E, só para o caso de você dizer que nenhuma dessas verdades justifica, não temos como conhecer novas pessoas se não abrirmos uma brecha para estranhos entrarem em nossa vida, a partir do momento em que permitirmos eles deixarão de ser estranhos, então vamos fazer o seguinte, hoje lhe dou duas alternativas: responda somente sim, ou, com certeza sobre ir tomar um sorvete, a partir de então deixarei de ser um estranho, porém você decidira se irá querer manter-me por perto, ou, não.

-E se eu decidir por não mantê-lo por perto? – pediu, sabendo que aquilo não aconteceria se dependesse dela.

Damon sorriu:

-Provavelmente você não terá seu desejo realizado, mas garanto-lhe que de qualquer forma não será está sua escolha.

-E por que tem tanta certeza?

-Sou um cara extremamente charmoso, inteligente, divertido, sedutor, irresistível e cheio de qualidades incontáveis.

¨¨¨¨¨¨

Damon acompanhou Vanessa até a saída, abrindo a porta para a morena com um largo sorriso estampado em seu rosto. Os raios de sol daquela tarde iluminaram o rosto da garota, fazendo o moreno perder-se por um momento em cada um dos delicados traços de suas feições. Os cabelos dela tinham um tom mais claro à luz do sol

-Para onde vamos?

A voz da garota tirou o rapaz de seus devaneios, trazendo-o de volta para a realidade.

-Que tal darmos uma volta no parque?

-Gostei, adoro flores e nesta época os parques ficam repletos delas, de todas as cores, de todos os tipos... – disse, dando de ombros enquanto começavam a andar.

-Gosta de flores? Ótima noticia – Damon olhou ao redor, em seguida parou a garota. - Espere um momento.

Vanessa olhou o moreno abaixar-se em um canteiro de uma loja, pegando uma delicada Gérbera vermelha suavemente, virando-se para a morena e abrindo um sorriso extremamente doce que a fez esquecer-se de respirar.

-Poderia dizer: uma flor para outra flor, mas acredito que algo mais exclusivo soará melhor. – Disse inclinando-se para ela e com delicadeza prendendo a flor atrás de sua orelha direita, deixando a garota surpresa. – Portanto – continuou ele – você saberia dizer-me o significado desta flor?

Vanessa estava tão surpresa que só conseguiu balançar a cabeça negativamente, seus olhos grudados nos de Damon.

-Bem, esta flor significa inocência, pureza. Ela demonstra sensualidade, charme, amor, nobreza, alegria, simplicidade. E além de tudo... É linda. - ele estava sério. - E todas essas características são o resumo do que seus olhos me traduzem.

¨¨¨¨¨¨¨¨



Última edição por Den!se ;D em Ter Jul 31, 2012 6:01 pm, editado 4 vez(es)
avatar
Den!se ;D

Mensagens : 1811
Data de inscrição : 26/07/2011
Idade : 21
Localização : Paraná

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Para sempre: você [dedicado para Vaanny/ por Denise e Keroll]

Mensagem por Den!se ;D em Ter Jul 31, 2012 5:15 pm

Continuação.....

Depois de alguns minutos, os dois chegaram ao seu destino final. O sol ainda brilhava e o dia parecia agradável e fresco. O parque estava repleto de casais namorando ou crianças brincando. Os pássaros cantavam, as flores exalavam beleza e perfume.

-Eu vou querer de chocolate. -Vanessa pediu ao homem com o carrinho de sorvetes no parque. O dia estava efetivamente quente, um sorvete realmente cairia muito bem.

-Muito bem senhorita. – O homem sorriu, preparando-se para colocar a bola de sorvete na casquinha.

Antes que o homem colocasse a bola de sorvete, a garota gritou, assustando-o.

-Não! Pensando bem, prefiro de morango – deu um sorriso constrangido.

-Pois bem. – Mais uma vez o homem pegou uma bola de sorvete de morango, mas quando estava prestes a colocá-la na casquinha, a garota voltou a gritar.

-Espere! Acho melhor chocolate. Sim, chocolate.

Damon deu uma risada, encarando-a divertido.

-Tem certeza?

Ela assentiu, mordendo o lábio inferior em evidente dúvida.

-Espere! – gritou de novo. – É melhor de morango. Eu amo sorvete de morango. Mas sorvete de chocolate também é tão delicioso... Eu... Não, morango mesmo.

O moreno deu uma pisadela para a garota, virando-se para o vendedor que começava a irritar-se.

-Coloque duas bolas, uma de cada sabor.

O sorveteiro assentiu colocando os sabores como pedidos e em seguida acrescentando a calda sobre o sorvete.

Vanessa esticou-se satisfeita pegando o sorvete que o homem lhe estendia.

A garota se preparava para procurar o dinheiro em sua bolça quando Damon a impediu, pegando sua própria carteira no bolço traseiro de sua calça diz escura e pagando o sorveteiro.

A morena o encarou:

-Você não vai querer?

Damon deu de ombros:

-Qualquer coisa você divide o seu. – Disse inclinando as sobrancelhas sugestivamente.

Vanessa abanou a cabeça conformada.

Como era possível alguém ser tão charmoso?

Damon passou os braços pela cintura dela virando-a para que voltassem a andar, fazendo com que a garota corasse.

Neste momento um jovem de cabelos claros passou por eles carregando diversos balões de diferentes modelos e cores.

-Ei você ai, ô dos balões. – O moreno chamou, retirando as mãos da cintura de Vanessa e fazendo sinal para o loiro.

O jovem foi em direção a eles com um sorriso:

-Olá boa tarde, belo dia hoje não é mesmo? Qual modelo o senhor deseja comprar para sua namorada? Flor, cachorrinho, clássico, coração...

Vanessa arregalou os olhos ao ouvir a palavra ‘namorada’, parando o sorvete a meio caminho da boca.

Damon sorriu de lado:

-Qual prefere Vanessa? – pediu virando-se para a morena.

-Wom... – a garota pareceu surpresa – não sei. São todos lindos.

Damon voltou-se novamente para o vendedor:

-Quero o de coração. O de coração vermelho metalizado.

O loiro separou o que Damon pedira dos demais balões e alcançou para Damon. Damon pagou-o e o jovem seguiu seu caminho.

O moreno inclinou-se para Vanessa entregando o balão a ela:

-E então? Ainda dúvida de minhas qualidades? – pediu sorrindo de lado.

Fim do Flashback

Vanessa sorriu nervosa. O percurso da entrada da catedral até o altar aparentava não ter fim. Sentia como se seu cérebro estivesse nublado. Nublado pela confusão de emoções. As lágrimas insistiam em querer lhe escapar, mas sabia que chorar não adiantaria em nada, apenas borraria sua maquiagem cuidadosamente planejada.

Respirou fundo obrigando-se a continuar andando de forma lenta e não correr diretamente para os braços de Damon. Seu coração saltando cada vez de maneira mais frenética dentro de seu próprio peito, como se não bastasse isso ela estava ciente de que os vários vampiros presentes poderiam ouvi-lo sem problema algum.

Como que em resposta um sorriso de lado se formou nos lábios perfeitos de seu noivo.

Ele a conhecia bem o suficiente para saber o que ela estava pensando.

A garota balançou a cabeça rindo baixinho.

A caminhada parecia ser infinita enquanto Vanessa controlava-se para não sair correndo. O desejo era quase incontrolável. Suas pernas pareciam mais do que dispostas a deixar aquela marcha lenta para trás e simplesmente correrem como nunca. A morena respirou profundamente. Não podia fazer aquilo, por mais que quisesse. Tudo o que ela podia fazer era caminhar até o altar. Até aquele que a amava e que esperava por ela.

Após mais alguns instantes de pura ansiedade, finalmente ela percebera que sua caminhada havia chegado ao fim. Ela finalmente estava onde tanto desejara estar o dia inteiro: com Damon. Ao lado de Damon.

Ele deu um de seus sorrisos calorosos para ela, aquele sorriso que a fazia sentir-se em casa. Amada, bem-vinda. O sorriso que era só dela.

O moreno estendeu a mão lentamente para ela, confiante, com seus olhos brilhando pela emoção. O coração da garota deu um pulo no peito. Era chegado o tão esperado momento. Ela finalmente seria dele eternamente, como sempre desejara desde a primeira vez que o viu. Pegou a mão que ele oferecia, com um sorriso bobo pendurado nos lábios rosados, vendo como sua mão tremia.

Mas não havia razões para aquilo, havia? Era Damon ali, era ele quem estava ali esperando por ela. O sorriso da garota intensificou-se ao constatar a realidade que ainda não conseguia acreditar completamente. Ele era seu. Somente seu.

Os olhos castanhos de Vanessa focalizaram-se no mar azulado dos olhos do vampiro. E, naquele momento, nada mais importava para ela. Era o momento mais importante de sua vida. Tão importante quanto à noite em que ele a pedira em casamento, quanto o primeiro beijo dos dois, quanto o primeiro olhar.

Assim que ele a tocara, assim que pegara sua mão ela sentiu a já conhecida sensação de ter linhas de eletricidade subindo por seus dedos, seus braços, dominando-a, e a fazendo desde o inicio saber que ele era o homem com quem queria estar todos os dias, sempre. Por todo o sempre. Todo e todo o sempre. O destino dela já havia sido traçado assim que o viu na livraria, e se tornou claro quando ele beijou-a pela primeira vez.

Os pensamentos de Vanessa voaram de volta para o dia em que conhecera Damon. Ele fora um incrível cavalheiro com ela, fazendo-a rir de seus comentários, de suas piadas, de suas caretas quando ela sujava sua bochecha com sorvete... Ainda assim, era sem sombra de dúvidas o melhor encontro da vida dela.

Flashback

Ambos haviam ficado horas conversando e só voltaram para casa quando já era noite. Como o distinto cavalheiro que era Damon ofereceu-se para levá-la, e naquele instante Vanessa sentiu-se incrivelmente aliviada. Não estava pronta ainda para despedir-se do moreno.

Como ele havia deixado o carro estacionado na frente da livraria, pois haviam preferido caminhar até o parque, precisaram voltar até lá para depois seguir caminho.

O carro de Damon era lindo. E caro. Já era de se esperar que um homem como ele fosse ter uma paixão por carros velozes, mas não era de se esperar que ele conseguisse ser tão doce e gentil com ela, ao mesmo tempo em que era divertido e sarcástico. Damon era realmente uma caixinha de surpresas, que ela estava cada vez mais se encantando em conhecer.

Os dois continuavam conversando animadamente dentro do carro. Era tão fácil conversar com Damon! Vanessa não entendia completamente como podia confiar tão plenamente em alguém que conhecia há apenas algumas horas, mas ainda assim parecia que ela já o conhecia por toda uma vida.

Damon havia acabado de contar uma piada sobre como um esquilo, bichinho que a morena sempre considerara fofo, poderia ser violento. Segundo ele seu irmão mais novo já havia sido atacado por um bando de esquilinhos revoltados, Vanessa precisava admitir que não havia entendido direito como é que o irmão dele havia ido parar junto com esquilos, e o que ele fizera para ser atacado por animaizinhos tão encantadores. Porém ela não havia conseguido deixar de rir ao ver Damon contando a cena.

A garota ficou surpresa ao constatar que já estavam virando a esquina para entrar na rua de sua casa. Isso significava que estava chegando a hora da despedida. Ela com certeza não estava nenhum pouco ansiosa para isso.

O coração da garota apertou-se contra o peito quando o carro lentamente parou em frente ao prédio onde morava. Ela sabia que seria terrível quando aquele dia maravilhoso acabasse, mas nunca imaginara que chegaria a tanto.

O silêncio estabeleceu-se no carro. Vanessa olhava para as próprias mãos que seguravam o balão em formato de coração que Damon havia lhe comprado no parque. A Gérbera ainda estava em seus cabelos, e naquele momento parecia pesar, lembrando à garota de que amanhã aquilo não passaria de objetos de um desconhecido que lhe salvou a vida. Ok, poderia não ter estado exatamente corrido riscos de morte, mas com certeza ele a salvou de quebrar uma perna e provavelmente um braço também.

Damon também estava misteriosamente quieto, olhando para o volante. Lentamente, Vanessa deu um suspiro pesado, deixando evidente que estava desanimada pela primeira vez desde que o vira. Ela não queria sair daquele carro. Não queria deixar o responsável pelo melhor dia de toda sua vida. Não queria esquecer. Não queria simplesmente dizer-lhe adeus.

Colocou uma mecha do cabelo escuro atrás da orelha, respirando fundo. Não dava mais para prolongar aquele momento. Era chegada a hora da tão indesejada despedida.

-É, acho que está na hora de ir. – Ela o encarou, forçando um sorriso que saiu mais como uma careta. – Obrigada pelo balão, pela flor, pelo sorvete... Enfim, pela ótima tarde. Eu me diverti muito.

Damon a encarou, também forçando um sorriso.

-Não há de quê, princesa – o moreno respondeu, dando um meio sorriso.

Vanessa sorriu-lhe de volta sentindo uma estranha sensação que mesclava desespero e medo. Medo por não voltar a vê-lo nunca mais. Medo por aquilo ser uma despedida duradoura. Era como um se um peso no estômago tentasse derrubá-la.

Música de acompanhamento

Lutou consigo mesma para obrigar sua mão a abrir a porta do carro, feito isso lançou um último olhar para aquele par de olhos que a encantavam de uma forma sem medida.

Sabendo que precisava por um fim naquilo logo, antes que se jogasse para cima do moreno e o abraçasse para nunca mais soltar, a garota fez um ultimo aceno com a mão enquanto saia do carro fechando a porta em seguida.

Vanessa respirou fundo ao sair do carro, sentindo pela primeira vez seus olhos arderem e seu nariz coçar incomodamente. Naquele instante ela sabia: estava prestes a chorar. Quando um dia dos sonhos chega ao fim daquela forma, é normal que a tristeza arraste-se para o coração e para a mente. Ela não queria que aquele dia acabasse.

Dias assim não deveriam acabar. Simplesmente não deveriam. Assim como pessoas como Damon não poderiam ter permissão de entrar em nossas vidas somente de passagem, deixando ao partir apenas um rasto de lembranças. Lembranças que se tornariam dolorosamente perturbadoras.

A morena preparava-se para obrigar-se a seguir em frente quando de repente ouviu o som da porta do carro batendo novamente. Quando virou-se para checar o que havia acontecido, Damon já estava ali, contornando o carro e andando em direção a ela com um sorriso maroto estampado em seu rosto.

Como ele havia chegado até ela tão rapidamente?

Ela o encarou, surpresa demais para falar qualquer coisa. O moreno aproximou-se dela, fazendo uma expressão de pura mágoa que a deixara com o coração partido. Será que ela o havia magoado de alguma maneira? O desespero tomou conta de sua mente. Meu Deus, ela não podia ter chateado ele, podia?

O moreno fez um biquinho, franzindo a testa enquanto ficava frente a frente com a garota.

-Nenhum beijinho de boa noite?

A garota não teve tempo de responder, ou pelo fato de estar surpresa com a aparição repentina dele, ou por estar perdida no brilho intenso de seus olhos, ou quem sabe simplesmente porque não havia nada para responder.

Sem esperar uma resposta Damon sorriu.

Ele não soube realmente o que o levara a estar fazendo aquilo, na verdade não sabia nem mesmo explicar porque estava sentindo tanto medo de perdê-la.

Mas algo, algo que nem mesmo ele sabia que poderia existir dentro de si o alertava. Alertava para que não a deixasse partir.

Quem sabe aquele negócio de alma gêmea que ele sempre achara ridículo não fosse tão ridículo assim no final das contas. Quem sabe o termo “almas gêmeas” apenas dizia em outras palavras “Essa é sua chance, não a deixe partir. Você sabe que é ela. Sabe que é exatamente ela quem você quer”.

Com delicadeza puxou-a para si.

Vanessa sentiu seu corpo preso contra o dele na mesma hora em que sentia os lábios dele, macios e quentes, contra os seus. A língua dele abrindo caminho de modo suave por seus lábios antes de começarem a dançar juntas de maneira sutil.

Os braços do vampiro a envolviam, uma de suas mãos subindo pela cintura da morena e a impedindo de partir. Enquanto sua mão livre segurava com gentiliza o rosto dela.

A garota de modo automático levou uma de suas próprias mãos ao pescoço dele enquanto a outra enroscava-se em seus cabelos negros.

Seu coração palpitava com força em seu peito. Algo dentro dela fazia sentir-se como se estivesse em uma realidade paralela, uma realidade me que era apenas os dois. Ele e ela. Sozinhos em um mundo que era formado apenas por eles. Para eles. Somente deles.

As mãos do vampiro a apertaram com mais força sua cintura enquanto intensificava o beijo. Ambos desejando que o tempo parasse. Parasse ali. Parasse agora. Para sempre.

Fim do Flashback

Vanessa foi trazida de volta ao presente quando alguém pegou o buquê que segurava e retirou de suas mãos.

A realidade estava inacreditável demais para que ela conseguisse perceber quem era. Tudo que conseguia era olhar ora para o padre a sua frente e ora para aquele que seria para sempre seu. Damon Salvatore. Seu noivo, ou será que ela já podia usar o termo marido? Afinal eles já estavam no altar.

Ela ainda sentia suas próprias pernas trémulas, e sabia que se não fosse por Damon mantendo-a segura com seu braço trançado ao dela, ela provavelmente não conseguiria manter-se de pé sozinha, nem mesmo por um minuto.

O padre já nas casas dos sessenta e poucos era um senhor sorridente. Seus cabelos já rareavam e tornavam-se prateados. Dono de um rosto rechonchudo e de sorriso fácil e uma voz estrondosamente agradável que se fazia ouvir destacando-se entre as outras, possuía uma daquelas auras que transmitiam paz e tranquilidade.

-Estamos aqui hoje para celebrar... – começou ele, se fazendo ouvir sem grande esforço.

Por mais que Vanessa tentava concentrar-se apenas no presente seus pensamentos eram levados longe por uma torrente de lembranças.

Lembranças de cada um dos dias que contribuíam para que chegassem até ali. Porém, dentre todas elas, uma se destacava.

Flashback

O riso suave de Vanessa invadiu o silêncio do carro. Não acreditava que Damon estava fazendo mesmo aquilo com ela. Era golpe baixo! Ele sabia o quão a garota era curiosa. Colocar uma venda em seus olhos não era nada divertido. Para ela, é claro.

Ela tocou a venda com a mão, querendo espiar para ver para onde o moreno a estava levando, mas antes mesmo que pudesse puxar e ver uma brecha, uma mão quente e grande puxou sua mão de volta.

-Nada de espiar mocinha. – Damon deu uma gargalhada. – Como você é curiosa!

-O que você esperava? – perguntou entrelaçando seus dedos aos dele.

-Paciência Vaanny, paciência. Logo você verá – disse acariciando a mão da garota com o polegar. – Vai valer a pena, tenha certeza disso. Eu espero por isso há muito tempo.

-Uma dica? Vamos lá, ao menos uma dica. Você praticamente me sequestra e nem sequer menciona para onde está me levando. Preciso de uma dica, ou duas... três...

Damon sorriu de lado observando-a:

-Sabe que dia é hoje? – perguntou.

-Claro que sei, hoje está completando dois anos do dia em que você me salvou da escada assassina. Não acredito que você acha mesmo que exista uma possibilidade sequer de que eu esqueça que dia é hoje. Mas você não me deu minha dica.

O moreno ampliou o sorriso:

-A pressa é inimiga da perfeição. Então não tenha pressa, quando mais curiosa você ficar maior vai ser a surpresa. E também já estamos chegando.

-Você é um namorado muito cruel e perverso – a garota fez bico, fingindo mágoa.

-Eu sei que você me ama. – Damon a encarou, vendo o biquinho da garota. –Own, não faz esse biquinho, vai. Você vai gostar, eu prometo. Não me faça estragar a surpresa.

-Vai implicar com meu biquinho agora? – perguntou contendo uma risada.

-Não, mas eu aposto que sou capaz de desfazer esse biquinho rapidinho. É realmente uma pena que eu preze por sua vida e tenha que manter os olhos na estrada. Caso contrário...

-Damon! –Vanessa o repreendeu, corando altamente pelo comentário do namorado. –Comporte-se.

-Comportar-me? Que calúnia dizer que não estou comportado. – Disse, em tom ofendido, enquanto o carro fazia uma curva para alguns instantes depois estacionar.

A morena soltou um riso baixo:

-Já chegamos?

-Eu disse que seria rápido, viu como sou o namorado mais perfeito existente em toda a face terrestre? Quando digo uma coisa eu cumpro.

Vanessa abria a boca para responder quando ouviu o barulho da porta do lado dele batendo e em seguida percebeu a porta do lado do carona ser aberta.

-Damon, você esta abusando muito. Não é comum ver pessoas com uma velocidade inumana por ai.

Quando Damon lhe dissera a verdade sobre seu passado e sobre o que era por um momento ela havia achado que era brincadeira. Aliás, quem acreditaria que vampiros existem? Porém nem mesmo aquilo os separou. Ela não se importava com o que ele era. Não se importava com seu passado. A apenas sabia que o amava e que por uma sorte sem medida esse amor era retribuído com a mesma intensidade pelo vampiro.

Damon suspirou enquanto a ajudava a sair do carro.

-Humm – disse ele, levando os lábios até o pescoço dela e os pousando enquanto sentia a garota se arrepiar – Adoro quando você se preocupa comigo.

-Não... Me... Provoque... Desse jeito – murmurou ela, com a respiração acelerada.

A risada do vampiro soou próxima ao rosto da morena, fazendo-a delirar enquanto ele deslizava os lábios pela pele dela, aproximando-se da boca da garota.

-Não estou te provocando – rebateu. – Isso sim é provocar.

Vanessa só pode sentir os lábios do moreno apossando-se dos seus rapidamente. Era sempre assim. Ele tinha a mania de beijá-la quando ela menos esperava.

As mãos da garota voaram como por instinto para o pescoço do vampiro, entrelaçando seus dedos nos cabelos lisos e macios do rapaz. Senti-lo beijando-a daquela forma fazia com que se sentisse a garota mais amada e desejada do mundo inteiro.

Ele era doce, sexy, sensual enquanto explorava cada canto da boca da garota, como se estivesse dizendo que tudo aquilo era seu, somente seu. E de fato, para Vanessa, não havia outro além de Damon. Nunca haveria outro. Ela o pertencia como nunca havia pertencido a ninguém antes.

-Agora vamos – ele separou seus lábios dos dela lentamente, acariciando a bochecha da morena com o polegar. – Dessa vez quem está ansioso sou eu.

A garota deixou que ele a conduzisse, as mãos dele segurando-a pela cintura.

-Eu estou reconhecendo esse cheiro... Humm... Flores, sorvete hamm... Algodão doce? E esse barulho... Humm... Parece água... Um lago? É, é isso, um lago.

-Seus sentidos estão afinados, mas não pegue a mania de Stefan de ser estraga prazeres, amor, espere até chegarmos ao destino final para depois adivinhar.

A garota riu:

-Tarde demais. Já sei onde estamos. Viu não sou vampira e mesmo assim sou perceptiva.

-Ah é? – pediu o moreno apertando mais suas mãos contra a cintura da garota. – Então me diga, onde estamos?

Um sorriso envolvente se abriu no rosto da garota:

-No parque, o mesmo que você me trouxe neste mesmo dia dois anos atrás.

-Como pode ter certeza de que está certa?

Ela deu de ombros:

-Está claro que estamos em um parque, e conhecendo-o como conheço já posso deduzir que é o nosso parque. Bem... Não nosso “nosso”, mas de alguma forma especial.

O vampiro sorriu:

-Sou tão facilmente decifrável assim?

-Não sei para os outros, mas para mim sim. Mas e então? Não acha que já está na hora de retirar esta venda de meus olhos?

-Só mais um pouco – o moreno a virou suavemente. – Mais três passos e... Pronto. Pode tirar a venda.

Ela sorriu pelo modo como a voz dele saiu ansiosa e hesitante. O que quer que ele estivesse aprontado, estava temendo a reação dela. Talvez acreditasse que ela não iria gostar, mas aquilo era completamente ridículo. Tudo o que Damon fazia era perfeito para ela. Só de saber que ela havia feito aquilo por ela deixava a garota em puro êxtase.

-O que você aprontou, Salvatore? - Vaanny deu mais uma risada suave, com uma falsa repreensão na voz.

-Ninguém morreu, eu prometo – ele sorriu. – Só quero mostrar para o mundo o quanto eu te amo

A última frase fora sussurrada no ouvido da morena, fazendo-a arrepiar-se completamente.

-Vamos lá, tire a venda.

Ela sequer tivera tempo de puxar a venda, percebendo que o vampiro estava tão ansioso que ele próprio estava desfazendo o nó que amarrava as pontas da venda. E então, ele a tirou.

Em um primeiro momento, Vanessa não enxergara nada, estava tudo borrado e seus olhos ainda não estavam acostumados com a claridade repentina daquela tarde fresca. Mas então, pouco a pouco, ela começou a reconhecer as formas ao seu redor, e o que a garota viu fez com que seus olhos brilhassem imediatamente.

Estava frente a frente com uma árvore enorme, de tronco grosso e firme, repleta de flores. Era a primavera novamente, trazendo uma beleza quase sobrenatural ao ambiente. Ela reconhecia aquele lugar, reconhecia aquela árvore. Os dois haviam sentado abaixo dela, aproveitando a sombra fresca que ela proporcionava de frente ao lago, dois anos antes, no primeiro encontro dos dois.

Fora ali que Damon havia pegado sua mão pela primeira vez, a feito sorrir com suas caretas e suas piadas. Fora ali em que ela percebera como os olhos dele brilhavam quando a observava, como o perfume dele era gostoso, como ele era lindo. Era a árvore dos dois, e agora quem passasse por ali saberia disso.

-Damon... – ela não conseguia falar, a voz presa na garganta de emoção.

-Não gostou? – a voz dele estava quase decepcionada.

A morena riu pelo absurdo. Como ela não podia gostar? Como não amar aquela demonstração de amor que ele havia acabado de demostrar?

Ali, no tronco da árvore, havia dois nomes escritos dentro de um coração. Dois nomes escritos na caligrafia perfeita de Damon: Vanessa e Damon, para sempre.

Fascinada e com um sorriso enorme no rosto a garota aproximou-se da árvore levando seus dedos sobre o tronco e contornando a escrita com os dedos.

-Quando viemos aqui pela primeira vez você disse-me que muitas pessoas acreditavam que ao gravar as iniciais ou os nomes de duas pessoas que possuíam algum tipo de ligação, essa ligação se intensificaria ficando cada dia mais forte, e que ela ficaria cravada nos corações dos envolvidos assim como os nomes cravados na árvore. Para ser bem sincero não sei se acredito nisto, porém quero que entenda que esta árvore sendo magica ou não, você não apenas cravou seu nome em meu coração, mas também roubou-o inteiramente para você. – Damon disse, sua voz melodiosa e sensual.

Vanessa virou-se para encará-lo, seu queixo tremendo enquanto algumas lágrimas lhe escapavam deslizando por seu rosto.

Damon arregalou os olhos abrindo a boca para pronunciar algo, mas sua voz falhou.

-Não entendo. Eu... Eu pensei que estava sendo romântico, sei que não sou muito bom nesta área, mas não consigo entender, por que está chorando?- conseguiu pedir por fim, mesmo tentando esconder o desespero sua voz o traiu.

A morena sorriu entre as lágrimas, sua cabeça indo de um lado a outro, incrédula.

Como poderia sequer passar pela cabeça dele que ela não gostar daquilo?

Com um riso fraco, entrecortado por um soluço a garota pulou para cima do namorado. Seus braços o envolvendo pelo pescoço e apertando-o com força:

-Primeiro: eu não gostei. Eu amei. Eu mais do que amei, apenas não conheço uma palavra boa o suficiente para descrever. Segundo: você é melhor do que qualquer um na área de romantismo. E terceiro... – afastou-se dele apenas o suficiente para segurar o rosto dele entre as mãos e encará-lo de forma que seus olhos se fixassem de forma hipnótica aos dele – Eu te amo. Eu te amo. Eu te amo. Te amo mais do que algum dia serei capaz de dizer.

Um sorriso de alivio surgiu no rosto do vampiro:

-Espere um momento, ainda não acabou.

A testa da garota se franziu antes de suas sobrancelhas subirem até o ponto máximo de alcance delas.

-Deste jeito você vai me deixar mimada.

Damon deu um de seus sorrisos de lado complementados por uma piscadela:

-Apenas me espere aqui por alguns instantes, não irei demorar.

Ela não teve tempo de protestar, ele já havia sumido de sua vista.

O que ele estava aprontando? O que mais ele poderia fazer para deixá-la mais feliz do que já estava? Se é que isso era possível.

Antes de adivinhar o que poderia ser o moreno já estava de volta.

Em sua mão direita trazia consigo um balão idêntico ao que comprara para ela em seu primeiro encontro. O mesmo formato de coração, o mesmo vermelho metálico.

Vanessa sorriu:

-O que está pretendendo hoje Sr. Salvatore? Me deixar totalmente sem palavras?

Música de acompanhamento

-Logo saberá, apenas segure isto – aproximando-se lhe alcançando o balão.

Confusa, ela pegou o balão que ele lhe estendia enquanto ele se encaminhou até um dos vários pés de roseiras espalhados por perto e arrancou um espinho.

-Amor o que está pretendendo fazer?

Damon não respondeu, apenas voltou até ela. O sorriso em seu rosto ampliado.

-Segure-o um pouco para frente de seu corpo - disse, enquanto ele próprio colocava o braço da garota em uma posição que deixasse o balão a frente dela. – Isso, assim. Agora... Pronta?

-Pronta? Pronta para o quê?

-Para isso.

Com agilidade o moreno ergueu a mão que segurava o espinho levando-o até o balão e estourando-o.

Com uma velocidade inumana o vampiro puxou as mãos da garota para frente deixando-as palmas abertas para cima.

A morena boquiabriu-se, seus olhos piscando diversas vezes encarando o lugar em que antes estivera o balão.

Ela estava ciente de que algo havia caído sobre suas mãos, mas havia sido tudo tão repentino que sua cabeça ainda não havia dado conta de processar tantos acontecimentos ocorridos em tão pouco tempo.

Ela se preparava para protestar. Por que ele havia lhe dado um balão para em seguida furá-lo? Porém quando seus olhos desceram para ver o que suas próprias mãos seguravam ela paralisou.

Por um instante ficou em completo estado de petrificação.

Ela não estava acreditando. Não podia acreditar no que seus olhos viam.

A pequena caixinha de veludo preta destacava-se em sua mão.

-Da... Da... Damon...

O moreno a impediu de terminar de falar levando seu dedo indicador até os lábios dela e mantendo-o ali:

-Psiu, agora é minha vez de falar. – Disse abrindo a caixinha sem tirá-la da mão dela.

O anel resplandecia com um brilho intenso, fazendo com que os pequenos diamantes incrustados resplandecessem várias cores ao receber os raios de sol, fazendo com que Vanessa revezasse em encarar o objeto em suas mãos e os dois globos azul, logo a sua frente.

Spoiler:


Damon pegou o anel, retirando-a caixinha das mãos da namorada e colocando-a no bolço para que pudesse segurar a mão dela com a mão esquerda enquanto continuava a segurar o anel com a mão direita.

Os olhos do moreno a penetravam, desvendando sua alma, deixando-a indefesa.

-Estou arriscando parecer um completo idiota apaixonado. Mas lhe digo uma coisa: não estou apenas parecendo – disse inclinando a sobrancelha e exibindo um sorriso. - Há exatamente dois anos atrás eu diria que o amor é inútil, só traz prejuízos, mas você me transformou em algo que eu nunca pensei que seria, e o mais impressionante: não me importo com isso. A única coisa que me importo é de tê-la ao meu lado, todos os dias, para sempre. Você já tem meu coração, e mesmo sendo um vampiro sem ele não posso viver. Você me mudou porque eu me permiti mudar. Mudar por você. E agora como prova de minha mudança eu lhe peço: Vanessa quer ter ‘Salvatore’ como seu último nome? Quer ser minha para sempre?

As mãos da garota tremiam. Seus olhos marejados encarando-o.

Aquilo era real? Estava acontecendo com ela?

Com um leve aceno a garota fez que sim, a emoção impedindo-a de dizer qualquer coisa. Sua voz abandonando-a.

O sorriso que o tomou conta das feições do moreno era largo e demonstrava toda a alegria e a satisfação que sentia. Os olhos de Damon, duas esferas azuladas, cintilavam de puro êxtase em ter recebido o sim da mulher que amava.

As lágrimas escorriam lentamente pelo rosto de Vanessa enquanto Damon colocava a aliança que selava o compromisso dos dois no dedo anelar da mão direita da garota. Estava noiva. Noiva de Damon Salvatore. Noiva do homem que mais amava nesse mundo inteiro! Ela sequer conseguia conter a felicidade que invadia seu peito. Era como se a qualquer momento ela fosse explodir de tanta alegria.

Damon suspirou, aliviado. Por uma fração de segundo, a insegurança havia atingido o vampiro. Não por ter medo de compromisso ou por temer que talvez um dia se arrependesse. Muito pelo contrário. Ele a desejava como sua esposa mais do que qualquer outra coisa no mundo inteiro. Mas achava que havia a possibilidade de a garota dizer que não, dizer que não sabia se queria viver ao lado dele eternamente, sendo ele um vampiro. Mas como sempre, ela o havia surpreendido. Ela o amava.

-Ah, Damon, eu te amo tanto!

Vaanny pulou novamente em cima do namorado, sentindo-o girar com ela em seus braços, ouvindo o som do sorriso dela. Era o dia mais feliz de toda a sua vida, e mais uma vez o responsável por ele era Damon. O seu Damon. E agora, finalmente, ele seria seu para todo o sempre.

Fim do Flashback


Última edição por Den!se ;D em Ter Jul 31, 2012 6:46 pm, editado 2 vez(es)
avatar
Den!se ;D

Mensagens : 1811
Data de inscrição : 26/07/2011
Idade : 21
Localização : Paraná

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Para sempre: você [dedicado para Vaanny/ por Denise e Keroll]

Mensagem por Keroll Salvatore em Ter Jul 31, 2012 5:26 pm

Vanessa foi chamada de volta ao presente pela voz sonora do padre:

-Se há alguém aqui que saiba de algo que possa impedir este casamento apresente-se agora, ou cale-se para sempre.

O silêncio tomou conta da enorme catedral.

Até que de repente...

... foi quebrado por batidas retumbantes vindas da porta. Lançando olhares nervosos uns para os outros todos se viraram na direção da entrada.

O silêncio voltou a tomar conta da enorme catedral, antes que batidas retumbantes, vindas da porta, voltaram a quebrá-lo. Os convidados, lançando olhares nervosos uns para os outros se viraram na direção da entrada.

As batidas continuavam cada vez mais altas, fortes, ritmadas. O coração da noiva estava a ponto de sair pela boca enquanto seus olhos estavam levemente arregalados. O que estava acontecendo ali? Logo em seu casamento? No dia mais importante de toda sua vida?

Todos os convidados olhavam atônitos para a origem do som, praticamente pulando a cada pancada forte que fazia a porta praticamente mexer-se. As enormes portas da catedral eram pesadas, de madeira entalhada à mão, grossas. Não havia como alguém arrombá-la daquela forma, havia?

Mais três pancadas estrondosas. Àquela altura, o próprio padre já havia parado seu discurso. Era óbvio que havia sim alguém contra a continuidade daquele casamento. Ou era isso, ou um convidado muito atrasado e persistente que não queria ficar de fora de jeito algum.

As portas abriram-se com um estrondo revelando dois homens, um com o cabelo de um tom castanho claro e olhos esverdeados, enquanto o outro mais alto com olhos e cabelos que puxavam mais para o castanho.

-Seu padre – o mais baixo começou, adentrando a catedral, um modo de andar despreocupado – eu tenho algo que impeça esse casamento: o noivo é um vampiro.

Novamente fez se silêncio. Todos encaravam o estranho, alguns soltando risinhos, outros assustados e muitos até mesmo preocupados.

-Quem é você meu filho? – o padre pediu cauteloso.

-Meu nome é Dean, Dean Winchester. E estou aqui para alertar os presentes que nosso mundo é habitado por seres sobrenaturais, mas graças a mim e a meu irmão – indicou o outro estranho – Samy, mas principalmente a mim, vocês estão protegidos, não precisam agradecer, é eu sei sou um cara modesto. – Terminou exibindo um sorriso.

-Não me chame de Sammy, Dean, já disse que é Sam – o irmão o cortou sorrindo nervoso fazendo um aceninho para os ouvintes. – E acredito que ninguém aqui está com cara de que pretende agradecer por alguma coisa.

-Palmas para o Cérebro, ele conseguiu enxergar o óbvio, mas vou oferecer uma excelente alternativa para vocês: o que acham Pink, e Cérebro, de pegarem o rumo de volta ao hospício de onde saíram?– Damon os interrompeu.

-Vai lustrar os caninos, descendente de morcego. – Dean respondeu olhando de forma ameaçadora para o vampiro. – E acho bom se afastar de Vanessa se pretende continuar com sua cabeça em cima do pescoço.

Vanessa ainda não havia se recuperado completamente do susto. Tantos seus olhos quanto sua boca estavam abertos em uma indicação de perplexidade e confusão.

Damon se preparava para retrucar Dean quando Samantha o interrompeu dando um passo para a frente:

-Cara, eu não lhe aconselho a ameaçar meu irmão. Quem você pensa que é para achar que tem o direito de invadir um casamento, dizer asneiras, e ainda falar que vai arrancar fora a cabeça de MEU irmão? Cai fora, o irmão é meu e sou a única que tem permissão de ameaçá-lo. – Disse em uma voz surpreendentemente ameaçadora.

-Sei sobre você também garota, você é igual ele, uma sanguessuga...

-Sangue suga é seu avô, projeto mal feito de Van Helsing. – Damon voltou a cortá-lo.

-Van Helsing é o...

-Won desculpe, eu quis dizer Buffy. –continuou o vampiro dando um sorriso irônico.

Dean se adiantou levando a mão para dentro do próprio casaco em busca de alguma coisa, mas Sam o impediu de continuar.

-Dean, estamos em desvantagem. Estamos apenas em dois, vai saber quantos deles são vampiros.

-Não saio daqui sem Vanessa, se você quer ir pode ir, mas nem pense em encostar um dedo no meu Impala. Minha boneca fica onde tá. Você tá precisando mesmo de um exercício, o último metamorfo que achamos quase acabou com você.

Sam bufou:

-Não fui eu quem apanhou da Paris Hilton.

-Cala a boca, era um deus pagão, pô. – Dean se defendeu.

-Calma meus filhos, mantenham a calma – o padre interrompeu – vocês estão em um lugar sagrado.

Como em resposta ao que o padre dissera uma luz surgiu no centro da catedral, assustando, mais uma vez, a todos.

A luz aos poucos foi se dissolvendo deixando no lugar dela um homem de sobretudo.

As pessoas que estavam mais próximas se atropelaram afastando-se.

A mesma expressão de assombro no rosto de cada um dos presentes, com exceção apenas de Dean e Sam.

-O que é isso? Como chegou aqui? Quem é você? E o que faz aqui? – o padre atropelou as perguntas.

O homem, de cabelo castanhos e olhos azuis, não se assustou com as perguntas, e pareceu não perceber o tumulto que causara.

-Sou um anjo do Senhor, e meu nome é Castiel. – Disse em uma voz incrivelmente calma. - Me transportei até aqui porque não posso permitir esta união.

-E quais são seus motivos meu caro? – o padre pediu ignorando as respostas incabíveis.

-Eu sou um anjo do Senhor...

-Você já disse isso. – Algumas pessoas o interromperam, falando ao mesmo tempo.

Castiel piscou confuso com uma calma inabalável:

-Eu fui enviado pelo Senhor porque Vanessa não pode casar-se com ele – disse apontando para Damon – as escrituras não permitem.

-Mas que mané escrituras o que Cass? – Dean o cortou. – A não ser que essas escrituras dizem que Vanessa deve ficar comigo, não acredito em nenhuma delas.

-As escrituras dizem...

-Que Vanessa nasceu para mim.

Todos os presentes voltaram-se para o lado, vendo um homem louro em uma das portas laterais da catedral. Os olhos violetas dele cintilavam enquanto encarava fixamente o altar, seus olhos perfurando a noiva sem cessar.

Os olhos de Vanessa arregalaram-se ainda mais ao perceber as enormes asas brancas e brilhantes que estavam firmemente fechadas nas costas do rapaz. Ela tinha a impressão que se ele as abrisse ocuparia metade da catedral inteira.

Ele era... Um anjo?

-Nasceu pra você? Ah, fala sério! Você é um anjo! Anjos não deviam ser... Sei lá, castos? –Keroll resmungou fazendo uma careta.

-Casto ou não, minha mão está louca pra dar um soco bem no meio da fuça desse aí. – os punhos de Damon fecharam-se duramente preparados para atacar.

-Ela não vai se casar com um monstro! – Daniel fez uma careta para Damon. – Pense bem Vaanny, ele não pode te amar tanto quanto eu te amo! Ele é um vampiro, um monstro. Um ser sádico, sem alma, sem bondade. Como ele pode dar a você o que você tanto merece?

A morena estava tão chocada com a cena que se seguia diante de seus olhos que apenas conseguiu franzir as sobrancelhas.

-Que intimidade é essa com a minha esposa?! – Damon deu um impulso para frente, sendo segurado por Samuel. –Me larga ô cabelo de macarrão! Senão quem vai levar umas porradas aqui é você!

-Ela ainda não é sua esposa, ô palerma! –Samuel rebateu, segurando o meio-irmão.

-Está do lado de quem ameba loura? – Keroll semicerrou os olhos para o pai.

-Não se meta, tudo bem, anã? – Daniel revirou os olhos para a garota.

-Oi? – a morena deu uma risada forçada. – Como é? Repete que eu não ouvi!

Cam fazia um sinal com as mãos para que Daniel calasse a boca, mas o anjo não via, focado demais em Vanessa e em como ela estava linda vestida de noiva. Em como ele queria que fosse ele ali, naquele altar.

-Você é pequena demais para enfrentá-lo Keroll, fique de fora.

-Mas que mania desse povo de me chamar de nanica! – gritou furiosa. – O próximo que me chamar de pequena, eu juro que arranco a cabeça fora!

-Tudo bem, tudo bem! – Cameron, o acompanhante da menina, segurou-a pelos ombros, tentando acalmá-la. – Hei Dan! É falta de educação entrar em um lugar sem ser convidado!

Daniel encarou o irmão, bufando em seguida. Até parece que ele dava à mínima.

-Está do lado deles?

-Sou convidado – deu uma piscadela. – E é melhor você esquecer isso, cara. A garota está prestes a dizer sim para o vampiro aí.

-E seu “amigo” está prestes a sair pela janela. – Damon rebateu, dando uma cotovelada em Samuel, fazendo o louro cambalear. – Na verdade, todos vocês. Que fuzuê é esse no meu casamento? Vaanny é minha e ninguém tasca a mão nela! Quero ver quem vai ser o primeiro a tentar.

-Hey futuro papys, pega leve, meu Samy só está querendo ajudar – Denise interveio, segurando o braço de Samuel ajudando-o a recuperar o equilíbrio. - Mas preciso concordar quando diz que a mamys é sua. Então povo, podem ir pegando o rumo de casa, seja ela no céu ou onde for, eu e as manas não damos permissão para que a mamys se case com ninguém além do Damon.

-É isso aí – Jady entrou na conversa. - Circulando galera, aqui não é show de caridade nem abrigo pra sem-teto! Vão pegando a BR.

-Isso não é hospício nem parque de diversões pra vocês entrarem sem ser convidados contando histórias sem sentido. – Paty apoiou a irmã.

-Então saiam logo daqui antes que as coisas fiquem bem ruins pra vocês. – Giulia complementou.

-Eu nasci pra ficar com a mãe de vocês, nenhum desses outros palhaços servem. - Dean interrompeu-as.

-Os únicos palhaços que estou vendo aqui é você, e esse bando de intrusos mal amados. - Vick, até aquele momento calada, rebateu.

-Não vamos ofender os palhaços, já que esses aí não têm talento nenhum pra fazer graça. - Keroll disse revirando os olhos castanhos enquanto colocava as mãos na cintura.

-É uma lástima que humanos sejam tão vulnerais ao ódio. O amor é algo tão belo. Por este motivo as Leis celestiais foram quebradas me dando o direito de ter Vanessa para mim.

-Calado anjo sem asas, antes que eu de um jeito de fazer você voar. – Samantha grunhiu as palavras, revoltada.

-Adoro as poucas vezes que você fala algo que preste, maninha. São momentos tão raros, mas quando aparecem melhoram muito meu dia.

A garota estreitou os olhos de maneira perigosa virando-se para o irmão:

-Você diz isso porque tudo o que digo sempre é a verdade, e muitas vezes a verdade pode estar contra você, irmão.
Vanessa sentia que a qualquer segundo começaria a gritar ou a correr em desespero. As vozes a confundiam, deixando-a sufocada. Ela sentia calor naquele momento, um incômodo no estômago. A cabeça da garota meio que girava enquanto ela alternava olhares entre as pessoas que brigavam. Brigavam por ela. No casamento dela!

Quem aqueles homens lindos achavam que eram? Tudo bem, eles podiam ser lindos, mas para ela só existia Damon. Somente ele, eternamente. O que era tão difícil de entender? Por que aqueles homens queriam destruir o maior sonho dela?

O padre estava com a boca entreaberta. Não seria surpresa se ele resolvesse largar a batina para nunca mais ser necessário que celebrasse qualquer outro casamento. Será que ninguém ali fazia noção do tamanho desrespeito para com o Senhor? E aquela história de vampiros e anjos? O que mais iria aparecer? Lobisomens, bruxas, elfos? Será que ele tinha o número de algum hospício por perto? Com certeza eles ganhariam vários hóspedes novos.

-Não sei quanto aos elfos, mas bruxas e lobisomens lhe garanto que existem, assim como os mentalistas. – Samuel aproximou-se respondendo aos pensamentos do padre.

O homem pulou assustado, seus olhos arregalando de uma forma que provavelmente se ele não cuidasse sairia da órbita.

-Samy, o que eu te disse sobre ficar entrando na mente das pessoas? Isso é feio, você não pode se aproveitar dessa forma de seus poderes. – Denise o repreendeu inclinando as sobrancelhas.

-Ele estava com uma cara estranha, Dê, só quis ajudar vendo se ele estava precisando de alguma coisa.

-Mas isso não era necessário, você poderia simplesmente fazer isso – a garota foi até o padre parando de frente para ele e balançando a mão não frente de seu rosto – Seu padre, tá me ouvindo? O senhor está bem ou está precisando de uma cadeira?

O homem aparentava estar paralisado.

Giulia aproximou-se também:

-Mana ele deve ter entrado em estado de pânico ao ver a cara do Samuel.

Keroll riu chegando mais para perto e encarando o padre também:

-Concordo com você mana Giu, Dê você não poderia ter arranjado algo melhor não? – pediu virando-se para Samuel e fazendo uma careta para ele.

O loiro fechou a cara.

-Eu realmente não entendo como vocês resistem a tanta perfeição, manas. A mamy criou uma verdadeira obra de artes. – Denise praticamente babava pelo loiro.

-Concordo com você mana – Jady entrou na conversa – ele é realmente gos...

-Maaana!

-Ops... mas não se preocupa mana, eu tenho meu Klaus. – Completou passando a mão pelo peitoral do vampiro.

Klaus lhe devolveu o gesto com um sorriso sedutor, puxando-a para si.

-Manas enquanto vocês estão ai discutindo, a catedral corre riscos de ir a baixo. – Paty alertou-as, enquanto Troy a segurando pela cintura como se estivesse protegendo-a de algum perigo iminente, mantendo-a firme entre seus braços.

Samantha e Damon continuavam discutindo, ambos revezando em discutir entre si ou juntarem-se para cortar algum dos invasores.

Dayne e o pequeno Daniel haviam se sentado em um canto do altar e apenas observavam a confusão parecendo divertirem-se.
Vanessa tentava em vão se fazer ouvir em meio ao tumulto.

A garota sentiu o sangue fervendo, a histeria quase tomando conta de si mesma. Eram sentimentos que ela jamais esperara sentir em seu casamento: raiva e desespero. Como podiam fazer aquilo? Invadir seu casamento, ofender seu noivo, implicar com suas filhas e com sua sobrinha, estragar tudo achando que eram seus donos!

O que estava acontecendo ali? Por que não a deixavam falar e escolher o que ela queria? Por que todos aqueles penetras achavam que sabiam o que ela queria e o que era melhor para ela? Ela sabia o que queria, não estava nem um pouco confusa! Vanessa sentia-se mais do que pronta para dizer “sim” para Damon naquele altar! Não era um bando de desesperados que a faria mudar de ideia!

Vaanny fechou os olhos com força, tentando bloquear os zumbidos que as vozes se tornavam. Aos poucos, ela não conseguia entender quase nada, apenas a frase “ela é minha” repetida diversas vezes em vozes que ela não queria ouvir. Repetiam como se fosse uma bola num jogo de ping-pong, sendo que ali estavam falando dela. Ela é quem escolhia a quem queria pertencer, e ela já havia escolhido há muito tempo.

O coração da morena batia forte no peito, a angústia crescendo dentro de si. Estava tudo errado! Era o seu casamento, como ousavam estragá-lo daquela forma? A raiva queimava dentro de si, fazendo os olhos da garota arderem. Ela estava tão irritada que queria chorar. Não, era ela quem tinha o poder de acabar com aquela confusão, ela sabia disso.

Os olhos castanhos da garota abriram-se repentinamente enquanto ela olhava para a confusão como se visse tudo em câmera lenta. Todos estavam brigando. Todos estavam discutindo quando deviam estar quietos, apenas apreciando a leveza da cerimônia.

A raiva venceu a angústia e a confusão, fazendo Vanessa fechar as mãos em punhos, apertá-las junto ao corpo, e gritar a plenos pulmões:

-CHEGA! CALEM ESSAS MALDITAS BOCAS!

Foi como mágica, em um momento todos gritavam e no outro estavam todos no mais completo silencio, observando-a espantados. Apenas Damon com um sorriso satisfeito.

-POR QUE ESTÃO FAZENDO ISTO COMIGO? É O MEU CASAMENTO, SABEM QUANTO TEMPO ESPEREI POR ISSO? SABEM O TANTO QUE DESEJEI ISSO? E AGORAM VOCÊS INVADEM MEU CASAMENTO SEM MAIS NEM MENOS DIZENDO COISAS SEM PÉ NEM CABEÇA.

Vanessa continuava gritando. Seus Gritos os únicos som em meio ao silêncio. Até mesmo o padre havia acordado de seu transe. Dayne e Daniel, ainda sentadinhos, sorriam para a situação.

-Tia Vaanny tá nervosa. – Dayne disse baixinho ao irmão em sua voz fininha e doce.

Daniel assentiu:

-É isso ai tia Vaanny mostra quem você é. – Daniel disse mais alto sorrindo maroto.

Vanessa ouviu e virou-se para eles olhando-os por um breve minuto antes de continuar, não conseguindo impedir que um rubor a dominasse:

-Dean, Cass, Daniel e até você Sammy.

-Eu? O que eu fiz – Samantha pediu surpresa e confusa.

-Não, não, ela é minha criadora e minha quase sogra, acho que ela quis dizer eu. – Samuel opinou.

-Wom na verdade é o outro Sammy. – Vanessa explicou.

Sam fez uma careta murmurando:

-É Sam, não Sammy.

-Ok, ok, mas deixem-me terminar. Dean, Cass, Daniel e Sam, o que estão fazendo aqui? Vocês não deveriam existir de verdade. Vocês são apenas personagens de algumas das minhas histórias preferidas. Não deviam estar aqui.

Um clarão surgiu próximo à entrada principal da catedral, movendo-se rápido. Ainda assim, todos estavam tão focados no surto da noiva que mal notaram, exceto por Kol, de mãos dadas com Giulia.

O rapaz franziu a testa, semicerrando os olhos para o clarão estranho que brilhava como um diamante.

-Que coisa brilhando é aquela? –perguntou em voz alta, atraindo a atenção dos demais para a forma cintilante aproximando-se.

A coisa brilhante ganhou uma forma visível ao parar perto de Vanessa.

Os olhos cor de topázio brilhante:

-É neste ponto que entra a magia, ela foi feita para que você realizasse todos os seus sonhos, até mesmo os mais improváveis. – Disse com uma voz melodiosa.

-TANTO FAZ – a noiva gritou sem virar pra ver quem havia dito aquilo, porém assombrou-se ao ver quem era - Edward? – pediu sem acreditar – Edward? – voltou a perguntar incrédula – Edward Cullen?

Edward sorriu, seus cabelos cor de bronze em um desarrumado encantador:

Ok ele era bonito... Não, lindo, mas mesmo assim tudo o que ela queria era seu Damon.

-Eu mesmo. E estou confuso, como logo você que é uma escritora tão talentosa não está acreditando que toda estória tem algo de realidade e que cada personagem é tão real para quem os cria ou para quem os acompanha durante todo seu trajeto como qualquer outra coisa que você acreditar?

Vanessa abriu a boca para responder, mas não soube o que dizer.

Edward continuou:

-Sem contar que metade dos aqui presentes é real graças à imaginação, inclusive seu noivo, os pequenos ali – indicou Dayne e Daniel – juntamente com seu personagem Samuel e os irmãos de seu noivo, Stefan e Samantha.

-Stefan? – algumas vozes repetiram ao mesmo tempo, inclusive Vanessa dando-se conta da ausência do futuro cunhado.

-Onde está Stefan? – Vanessa pediu enquanto seus olhos dançavam pelo espaço em busca do cunhado – Por que ele não está aqui?

-Tefinha provavelmente foi atrás do pequeno Stuart, ou um parente do esquilinho simpatia dele, fazer uma boquinha. – Damon respondeu.

Samantha se aproximou de Damon lhe dando um cascudo:

-Não diga isso de Stef, Damon, ele é nosso irmão. E poxa... – seus olhos foram até Edward vendo a pele do vampiro brilhar como cristais a fraca luz de fim de tarde –... cara você brilha – disse fascinada. - Por que eu não brilho? – pediu desapontada. – Eu quero brilhar – completou sonhadora.

Damon a analisou como se duvidasse do que a irmã havia dito:

-Se joga na purpurina, maninha. Ou melhor: por que você não mostra a saída par ao Sr. Cintilante? Ele pode lhe indicar o melhor lugar, a melhor marca, e coisas assim para que você acerte de primeira na purpurina.

-Posso indicar também um lugar para você comprar bom senso. – Edward o cortou.

-Eita, essa doeu. – Dean comentou satisfeito.

-Cala a boca pequena Buffy – Damon retrucou.

Sam tentou segurar a risada, mas falhou.

-E você também ô Buffy versão GG.

-O Senhor não aprova esse tipo de comportamento, devemos aprender a respeitar as diferenças. – Castiel os interrompeu como se estivesse desapontado.

-Você diz isso por que não passa de uma galinha depenada. – Damon bufou, revirando os olhos em seguida.

Castiel encarou o moreno:

-Acredito que isso tenha sido uma ofensa. – Disse confuso.

Dean soltou uma gargalhada sonora:

-Vai por mim Cass, elogio é que não foi.

-Ele quis dizer que você é um anjo diferente do que nós humanos estamos acostumados, Cass. Aqui anjos são descritos como seres de cachos dourados, olhos azuis e asas enormes. – Sam explicou.

-Eu tenho asas, vocês apenas não as veem.

-Estou me sentindo tão normal hoje, e olha que achei que isso nunca seria possível – Samantha comentou.

-Se você é mesmo um anjo por que antes de eu cair nunca lhe vi no outro plano? – Daniel inquiriu à Castiel.

-Deve ser porque tinha uma nuvem impedindo a visão. - Damon opinou, rindo.

A cara com que os dois anjos olharam para Damos deixou explícito que a confusão estava apenas começando.

Vick aproximou-se sorrateiramente de Samantha e sussurrou:

-Hora do primeiro sinal.

A garota deu um sorriso satisfeito assentindo.

Com agilidade retirou um anel delicado de prata que usava, e afastando-se um pouco do tumulto, manteve a mão aberta de palma para cima enquanto fixava seus olhos no anel pousado ali.

O anel subitamente ganhou uma escrita e antes que alguém se quer percebesse o anel já havia sumido no ar e a garota já estava de volta no meio da confusão.

A discussão entre os vampiros, anjos e caçadores continuava intensamente. Nenhum estava disposto a ceder ou a perder. Vaanny sentia cada vez mais o cansaço tomando conta de si mesma. Não sabia o que ainda estava fazendo ali. Seu casamento já havia sido completamente estragado por aqueles homens furiosos que deviam ficar em páginas de livros, ou na tela da televisão.

-Não precisa sentir-se assim, Vaanny – a voz melodiosa de Edward soou próxima à garota. –Talvez seja um sinal, um sinal de que você não deve casar-se com esse homem. Você merece alguém melhor, Vaanny, alguém que te faça se sentir a mulher mais amada do universo. Eu posso fazer isso por você. Só precisa dar-me essa chance. Só precisa pegar minha mão, e então sairemos desse hospício e nunca mais olharemos para trás.

Vanessa sequer teve tempo de retrucar. A garota sentiu cada pelo de seu corpo arrepiando-se quando teve consciência de oito pares de olhos fixando-se em si e na mão que Edward havia estendido para ela.

-Que Ficar com você o que ô cara e fuinha, Vanessa nasceu para mim, somente eu poderei protegê-la de seres iguais a vocês. Eu a manterei protegida e feliz – Dean avançou empurrando a mão de Edward para longe e ficando de frente a Vanessa. – Venha comigo Vaanny, sou divertido, bom partido e lhe ofereço proteção de qualquer ser seja ele vampiro, lobisomem, transmorfo, fantasma, ou estátua de cera possuída.

Daniel surgiu, empurrando Dean e pegando a mão de Vanessa, enquanto a encarava profundamente.

-Se acha que ter um namorado vampiro é ótimo, espere até ver um marido anjo. Pense bem Vaanny, que graça tem ter um humano qualquer ou um vampiro? É tão comum! Você merece algo melhor. Algo além do que você sempre sonhou. Eu posso te levar para o céu, literalmente. Eu posso dançar com você em plena luz do luar. Eu vou te colocar sempre em primeiro lugar, vou te amar eternamente. Diga a esses idiotas que eu sou o que você quer. Que nós dois fomos feitos um para o outro.

-Todos eles podem ter razão – Vanessa deu um pulo ao perceber Castiel subitamente atrás dela enquanto a girava com delicadeza livrando-a de Daniel e erguendo o rosto dela com delicadeza para que o encarasse – porém posso fazer tudo o que eles disseram e ainda mais. Poderei levá-la em instantes para qualquer lugar que desejar, poderei curá-la quando estiver doente, a manterei protegida para que ninguém possa se quer pensar em feri-la. – Disse, seus olhos azuis fitando-a com sinceridade.

Vanessa não precisou pensar em algo pra dizer.

Damon puxou Castiel e sem economizar na força enterrou o punho na cara do anjo.

O anjo cambaleou para trás com o impacto, mas fora isso estava intacto, seu rosto sem demonstrar choque.

Damon voltou a dar um murro desta vez no outro lado do rosto seguido por um murro no estômago, antes de jogá-lo contra a parede do outro lado da catedral.

Em uma velocidade inumana preparava para atacar de novo quando sentiu alguém o segurando pelo pescoço.

Virando-se deu de cara com os olhos verdes de Dean que empunhava um punhal levando-o em direção ao pescoço do moreno.

Vanessa ia em direção aos dois quando Samantha a segurou pelo braço impedindo-a:

-A noiva não deveria amarrotar o vestido. – Disse com uma piscadela enquanto ia em direção ao irmão.

A vampira agarrou o caçador pela jaqueta puxando-o para longe do irmão. Com uma velocidade inumana fincou suas unhas contra o pescoço do outro praticamente voando e o prendendo contra a parede:

-Você deveria ter me ouvido quando lhe disse para não fazer isso. – Comentou enquanto inclinava o joelho acertando o estômago de Dean.

Ele sufocou fazendo uma careta e levando a mão ao estômago, deixando cair o punhal.

-Isso é vergonhoso. Você está apanhando de alguém mais baixa, que aparenta ser mais nova, e que ainda por cima é uma mulher. Esperava mais de um caçador.

Dean levantou a mão para acertá-la, mas a garota o impediu segurando a mão dele, torcendo-a.

Sam correu em socorro ao irmão porém parou estático com os olhos fora de foco por um momento antes de transformar suas feições em uma careta e segurar sua cabeça entre as mãos contendo um grito de dor.

Samuel curvou a cabeça de lado inclinando as sobrancelhas e sorrindo.

Damon havia partido para cima de Edward e travava uma luta equilibrada, mesmo com os poderes telepáticos do segundo.

Edward tentava fazer uso de seus poderes para adiantar os ataques de Damon, mas o moreno parecia achar graça desviando-se de cada golpe do outro sem esforços.

A confusão seguia-se cada vez mais intensa. Samantha aplicava seus golpes em Dean enquanto Samuel cuidava de sua retaguarda. Damon ainda brigava com Edward, completamente focado. Dan e Dayne riam e batiam palmas cada vez que um dos “mocinhos” acertava um golpe incrível e forte, alguma vezes, até sugeriam o que eles podiam fazer.

Vanessa olhava tudo de boca aberta e olhos arregalados, estancada no lugar. Como aquilo podia ter acontecido logo em seu casamento? Era loucura demais para que a garota pudesse digerir aquilo facilmente. Ela estava quase implorando para acordar daquele pesadelo. Seu casamento era o marco de sua vida, seu maior sonho. Como tudo mudou tão drasticamente?

Um vento suave fez com que os cabelos da garota voassem levemente. Ela sabia quem estava ali sem que precisasse virar-se. Vanessa fez uma careta. Mais um de novo?

-Vaanny, sabe que posso tirá-la daqui quando quiser.

-Será possível que esse palhaço está tentando tirar proveito da situação? – Giulia apareceu na frente de Vaanny, extremamente irritada.

-Percebi a mesma coisa! –Vicky semicerrou os olhos para o louro.

-Depois de toda essa confusão, eu estou louca para bater em alguma coisa. – Keroll deu um sorriso largo.

-Melhor ainda se for um anjo caído metido a sabe tudo. – Jady continuou a frase da irmã.

-Não esquecendo que esse anjo caído metido a sabe tudo está querendo roubar nossa mamy. Paty prosseguiu.

-É hoje que vamos ter o prazer de despenar um anjo. – Denise comentou transformando os olhos em fendas.

Daniel encarava Vanessa com intensidade aproximando-se cada vez mais. A noiva, porém dava um passo para trás a cada passo que o anjo dava para frente.

-Venha comigo, lhe livrarei de todos eles e lhe daria tudo o que for de seu desejo.

Vanessa fez sinal negativo com a cabeça se desviando dele e continuando a afastar-se.

-Não, eu escolho Damon. Já o escolhi há muito tempo.

-Posso fazê-la mudar de opinião, apenas me dê uma chance. – Insistiu ele.

-Não. Minha escolha é Damon e não pretendo alterá-la.

-Aceite vir comigo que eu lhe convencerei do contrário. – Persistiu ele começando a abrir as asas.
avatar
Keroll Salvatore

Mensagens : 1194
Data de inscrição : 12/06/2011
Idade : 20
Localização : Banheira do Damon com o Damon, claro =D

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Para sempre: você [dedicado para Vaanny/ por Denise e Keroll]

Mensagem por Keroll Salvatore em Ter Jul 31, 2012 5:36 pm

O anjo preparava-se para começar a movimentar as asas para levantar voo esticando ambas as mãos para Vanessa quando sentiu alguém o cutucando nas costas.

Virou-se para ver quem era e antes que pudesse desviar levou uma bolçada na cara.

Jady levantou novamente a bolça acertando o outro lado do rosto do anjo antes que ele se recuperasse.

Daniel fez menção de tenta levantar voo novamente, mas foi impedido.

Giulia se agarrara em uma de suas asas e Denise na outra, ambas as puxando com força para baixo.

O anjo debateu-se fazendo uma careta:

-Me larguem.

-Que parte do ‘não’ da mamys você não entendeu, Oxigenado? – Keroll pediu, puxando com força a cabeça do anjo para trás pelos cabelos.

-O assunto é entre mim e Vanessa, portanto vocês não tem nada o que se meter na conversa. – O loiro cortou.

-Nos metemos na conversa quando bem entendermos, a mamys é nossa e queremos como papys o Damonzito e não um palerma com cabeça de macarrão. – Giulia o cortou quase arrancando fora a asa de Daniel.

-Dê o fora daqui. – Vick o aconselhou, batendo o dedo indicador no peito do anjo com força e o encarando de forma ameaçadora.

-E vê se aprende uma coisa: não fique insistindo quando uma mulher lhe der um ‘não’ pronunciado de forma tão clara e objetiva, acredite, isso pode pegar super mal pro seu lado. – Denise o alertou torcendo a asa do anjo com um sorriso no rosto.

-Não pedi sua opini...

A frase morreu no ar.

Paty havia avançado para o louro acertando em cheio o punho no rosto do anjo com o máximo de força que conseguiu reunir.

-Vá comprar uma auréola e vê se nos erra. – Disse ela, pronunciando as palavras silabicamente.

-Aproveita e compra um novo par de asas, porque as suas não estão mais no que se pode chamar de “perfeito estado”. – Jady completou, pegando uma pena no chão e a analisando antes de soltá-la no ar e assoprá-la em direção a cara do anjo.

Daniel grunhiu, mas o som foi abafado por um barulho vindo do lado de fora.

O som era alto o suficiente para dar a impressão de que até mesmo os alicerces da enorme catedral estremeciam.

Samantha, junto de Samuel, buscava um meio de tirar Castiel de vez da luta, já que ambos já haviam deixado Dean e Sam zonzos o suficiente para não conseguirem mais lutar. Dean pelo fato de ter levado uma bela surra da garota, e Sam por ter levado o que poderia ser chamado de uma surra mental dada por Samuel.

A garota como se esperasse por um sinal, ao ouvir o som do helicóptero , acertou com força Castiel no estômago, jogando-o longe, em seguida olhando para Samuel.

O mentalista assentiu assumindo uma expressão de concentração, franzindo o cenho e levando as mãos até a fronte.

Um segundo depois olhou para Samantha, assentindo. A mestiça abriu um sorriso satisfeito voltar-se para Damon:

-Já nos divertimos o suficiente, o que acha de colocarmos a cereja no bolo, primo?

Damon desviou de mais um golpe de Edward, agarrando o braço do vampiro e torcendo-o com força, enquanto o erguia no ar e o jogava com uma velocidade quase absurda de volta ao chão, quebrando o chão com o impacto.

O moreno encarou Samantha com um sorrisinho cínico pendurado em seus lábios perfeitos.

-Ah, logo agora que eu estava curtindo zoar com a cara dessa purpurina ambulante, prima?

Edward fez menção de levantar-se, mas o moreno acertou-o com um chute forte no rosto, deixando o homem atordoado.

-Como queira então – deu de ombros.

Lentamente, o moreno diminuía, seu rosto tornando-se mais jovial a cada segundo, mudando seus traços e transformando sua pele em um tom branco pálido. Os cabelos mudaram lentamente, ficando maiores do que estava antes e mais bagunçados, deixando alguns fios rebeldes caírem sobre a testa do rapaz.

As pupilas do moreno dilataram-se completamente, e quando retraíram-se, levaram consigo o tom azulado da íris do garoto, deixando um negro profundo. O terno fora substituído por um colete preto de couro, calça também de couro da mesma cor, botas e uma capa negra que continha um capuz.

Samantha sorriu:

-Bela chegada, primo – a loira concluiu com uma piscadela. – Vamos dividir as tarefas? Você cuida dos intrusos mal amados e me dá cobertura enquanto eu me concentro em deixar meu irmão entrar sem que seja necessário colocar a catedral em destroços?

Aodh sorriu para a prima.

-Deixa comigo Samy. Nunca me diverti tanto em um casamento! – o garoto olhou para cada um dos intrusos, percebendo como todos já estavam recuperados e prontos para um segundo round. –Vamos brincar agora, meus caros penetras!

Um arrepio percorreu a espinha de Vaanny. Brincar? As brincadeiras de Aodh não eram muito saudáveis.

-Sai da frente pirralho! – Dean andava mancando em direção ao altar.

-Vou ignorar seu comentário. Estou de muito bom humor hoje. – Aodh deu uma piscadela. – É o seguinte, vamos brincar de “O Mestre Mandou”, beleza? Eu sou o mestre!

-O que ele vai fazer? – a voz de Sam expressava toda a confusão que sentia.

-Prontos ou não, aí vamos nós! – Aodh ergueu o dedo para Daniel que estava prestes a levantar-se novamente. –E o mestre diz... Estátua!

Todos na catedral olharam uns para os outros, visivelmente assustados e confusos. Que tipo de brincadeira era aquela?

Foi então que Vaanny percebeu. Todos os homens loucos que estavam atrás dela estavam parados em seus lugares, como se seus pés estivessem presos ao chão. Eles não podiam se mover, por mais força que fizessem para que seus pés os obedecessem. Naquele momento, o mestre realmente era Aodh. Nenhum deles se moveria se o garoto não quisesse.

-Aliás, meus parabéns pelo casamento vovó – deu uma piscadela para Vanessa. – Você está linda.

-Gostei do truque, primo - a garota estralou o pescoço alongando os braços. – Minha vez. Agora não me julguem se não conseguir de primeira, não tenho exatamente o que se pode chamar de uma longa experiência com meu lado bruxa, sabe como é poderes preguiçosos resolveram ficar dormindo durante um século e algumas décadas, por culpa de algumas misturas indesejáveis de linhagens e venenos. – Disse revirando os olhos, antes de fechá-los por alguns segundos.

Quando os abriu sua íris possuía uma coloração vermelho vinho cintilante, fixou-os no teto, caprichosamente construído com varias ornamentações e pinturas, e começou a murmurar palavras rápidas e desconhecidas.

Como em resposta as palavras da mestiça o teto começou a ganhar uma aparência que estava mais para um estado liquido do que sólido.

Um helicóptero se vazia visível através do teto que se desintegrava deixando um buraco cada vez maior, porém nada, além disso, indicava qualquer alteração no designer da imponente catedral.

Vanessa se boquiabriu quando seus olhos foram de encontro ao homem parado na porta do helicóptero com as imensas hélices girando de forma barulhenta contra o céu já negro

Damon de smoking preto, com uma pequenina flor branca presa em um dos lados superiores de suas vestes, sorria.

Um sorriso perfeito o suficiente para derreter o maior dos icebergs em menos de um segundo.

-Bem vindo, irmão, perdeu toda a diversão. Consegui até mesmo a experiência de lutar com anjos. E antes que eu me esqueça, onde está meu anel? – Samantha foi logo perguntando.

Damon revirou os olhos enquanto saltava do helicóptero em queda livre, fazendo com que Vanessa assim como a maioria dos presentes trancassem a respiração e ficassem imóveis como se também estivessem sob o efeito dos poderes de Aodh.

-Não se gabe ainda, maninha. Ainda posso tirar satisfações com cada um deles em outra ocasião. – Disse jogando para a irmã o anel que ela lhe mandara como aviso através da magia para dizer que era a hora de ele dar a graça de sua presença.

Samantha pegou o anel no ar bufando enquanto Damon se encaminhava para uma Vanessa imóvel e confusa.

Vanessa não conseguiu impedir as lágrimas desta vez. Uma pequena esfera translúcida escorreu saindo de seus olhos e percorrendo de forma lenta o caminho de suas bochechas.

O que estava acontecendo? O que havia sido tudo aquilo? Por que estava acontecendo aquilo justamente no seu casamento?

Damon aproximou-se dela puxando-a para si pela cintura. O moreno de forma gentil levou o polegar até o rosto de sua noiva limpando as novas lágrimas que surgiam.

Ela tremia, como se depois de toda aquela confusão só agora ela estivesse processando os últimos acontecimentos.

-Pronto, pronto, agora estou aqui – Damon sussurrou baixinho contra o ouvido dela, fazendo-a se arrepiar.

-Por que... Por que tudo isso? – perguntou confusa.

-É sempre bom prevenir no caso de aparecer algum maluco invejoso da felicidade alheia.

-Mas... Mas...

-Shhh, agora está tudo bem, – voltou a sussurrar - vamos, ainda temos um casamento pela frente. E desta vez ninguém interromperá. Ninguém me impedirá de tê-la somente para mim. Você e minha. Somente minha, e não abrirei mão disso. Nunca. Para ninguém. Ninguém irá tirá-la de mim, podem tentar o quanto que for, mas nunca conseguiram. O máximo que conseguiram será acumular tentativas falhas, uma após a outra. Você será para sempre minha. – Os olhos do vampiro fitavam-na com tamanha intensidade que a hipnotizavam, deixando-a incapacitada de pensar ou olhar qualquer outra coisa a não ser o oceano azul dos olhos dele.

A morena esforçou-se para assentir, ainda presa aos olhos dele.

-Precisamos ir, Stefan está nos esperando. Ele nos levará para longe daqui, para que não haja chance de ninguém mais atrapalhar.

-Mas tudo os preparativos para que serviu? – pediu sem entender.

-Distração – respondeu ele com uma piscadela e um sorriso de lado – imaginávamos que alguém iria tentar impedir, portanto resolvemos fazer uma brincadeirinha.

Vanessa assentiu, ainda sem compreender direito. Era muita coisa para processar em tão pouco tempo.

-Damon? Preparados? – A voz de Stefan veio lá do alto, quase inaudível para os humanos.

Os cabelos do vampiro ocultos por um capacete provido também de um headset, que protegia seus ouvidos do barulho em excesso. Seus olhos cor de folha de carvalho analisaram curiosos o interior visível da catedral. Aodh parecia estar divertindo-se bastante.

Samantha acenou para o irmão sorrindo. Stefan retribuiu o aceno enquanto pegava uma corda grande e começava a desenrolá-la.

O vampiro amarrou uma das pontas da corda no helicóptero e lançou a outra em direção a Damon.

A corda ameaçou fazer um movimento de vaivém no ar, mas foi impedida por Damon que a parou segurando-a com uma das mãos enquanto a outra continuava a segurar Vanessa pela cintura.

-Hora de irmos – disse Lançando um olhar para os intrusos paralisados.

Vanessa concordou seguindo o olhar dele e lançando um olhar abrangente para todos enquanto um sorriso voltava aos seus lábios.

Samantha adiantou-se para eles mordendo o lábio inferior:

-Cuide bem dele está bem? – pediu para a morena, fitando-a com firmeza. – E se precisar da minha ajuda quando ele resolver dar uma de difícil pode me chamar – completou dando um cascudo de leve no irmão.

Damon sorriu de lado soltando a corda de maneira que ela ficasse estabilizada e cutucou a cintura da irmã de modo que seus dedos pegassem o vão entre os ossos, fazendo-a pular.

A garota fez uma careta para o irmão lhe dando um último cascudo e se afastando.

-Preparada? – Damon pediu a noiva, voltando a segurar a corda com uma mão.

Como resposta ela meneou a cabeça de forma positiva lançando um olhar rápido entre a distância que o helicóptero estava do chão.

Damon apertou mais o braço em volta dela enquanto Vanessa acenava se despedindo de todos para em seguida fechar os olhos e esconder a cabeça contra o peitoral do vampiro, sabendo que não seria agradável ficar olhando a altura que estaria conforme a corda fosse subindo.

-Tia Vaanny – uma voz fina a chamou.

Vanessa se virou, de primeiro seus olhos não encontraram o portador da voz, porém ao abaixa-los deparou-se com Dayne e o pequeno Daniel.

A garotinha lhe estendia o buquê, até aquele momento abandonado sobre um dos bancos, enquanto Dan carregava a cestinha com as alianças.

-Você vai precisar disso tia Vaanny. – Dayne voltou a dizer se aproximando mais e esticando as duas mãozinhas segurando firme o buquê.

-Viu tia Vaanny? Se não fosse por eu e a mana não teria casamento. Eu e a mana salvamos o dia. – O irmão continuou passando um dos braços em volta da irmã, puxando-a para si com um sorriso no rosto, ainda segurando as alianças.

Ouviu-se um monte de “won’s” por todos os lados enquanto Vanessa se abaixava passando os braços em volta dos dois, abraçando-os e dando um beijo na bochecha macia e rosada de cada um:

-Vocês foram o herói e a heroína do dia – Disse levando uma mão para a cabecinha de cada um e afagando de leve os cabelos sedosos.

Dayne sorriu de forma tímida enquanto o pequeno Daniel ampliava o sorriso satisfeito.

Ele havia ganho um beijo da noiva que além de tudo era sua criadora e a responsável por ele estar ali.

Vanessa, sorrindo de forma envolvente, pegou o buquê e as alianças que os pequenos lhes alcançavam antes de voltar-se novamente para Damon ampliando mais ainda o sorriso.

Damon a envolveu pela cintura, segurando-a firme com uma mão, enquanto a outra se ocupava em segurar a corda para guincha-los até o helicóptero, onde Stefan os aguardava.

-Pronta amor? – pediu, seu hálito quente contra a nuca da morena.

-Espere um minuto, Damon. – Uma voz os interrompeu.

Damon bufou ao ver Samuel adiantando-se um passo em direção a eles:

-O que foi ameba?

Samuel fez uma careta:

-Vamos poupar tempo Damon, economize seus comentários para um outra ocasião. Só quero dizer algo à Vanessa, prometo ser breve.

Damon revirou os olhos, porém não interferiu.

O loiro foi até eles pegando brevemente a mão direita de Vanessa lhe aplicando um beijo:

-Obrigado por me dar vida através de sua imaginação.

A morena corou abrindo a boca sem saber ao certo o que dizer.

-Eu acabei sendo a mais sortuda com tudo isso. Como pode, olha a perfeição! – Denise comentou baixinho, quase babando.

-Posso procurar por séculos, mas não vou achar perfeição nenhuma, só vejo um Samuel cara de pastel, Dê. – Keroll respondeu revirando os olhos.

-Eu falei aquilo em voz alta? – Denise pediu arregalando os olhos. – Eita, era pra ter ficado em pensamentos. – Concluiu corando.

-Pensamentos fugitivos, mana? – Paty interpelou dando risada.

-Pra dizer que o Samuel é perfeito só em pensamentos fugitivos mesmo. – Giulia concordou.

-Que isso, manas, perfeição é o que não falta no Samy. – Denise defendeu.

-Concordo, Samuel com certeza não é de se jogar fora. – Jady admitiu.

Com uma última olhada para todos Vanessa sentiu Stefan começar a içá-los para cima enquanto as vozes lá de dentro da catedral se tornavam cada vez mais distantes.

¨¨¨¨¨¨¨¨

-Padre? O senhor está bem?

Várias pessoas amontoadas em volta do padre tentavam trazê-los de volta de seu transe.

O homem estava imóvel, os olhos vazios, a boca entreaberta.

-Padre? Quer uma água com açúcar? – Vick pediu preocupada.

O homem não respondeu.

A catedral, agora quase vazia, começava a voltar à normalidade. O teto voltara ao normal assim que Vanessa e Damon estavam seguros dentro do helicóptero. Daniel havia saído em seguida nada satisfeito e com várias penas a menos, suas asas meio tortas davam a impressão de que estava desequilibrado. Dean para não ter feito uma viajem totalmente perdida, já que não havia conseguido convencer Vanessa, resolveu esperar que o padre se recuperasse para pedir que benzesse um pouco de água, para o caso de encontrarem algum demônio pelo caminho.

Castiel parecia desolado, provavelmente um cachorrinho sem dono possuiria uma expressão bem menos comovente. Seus olhos azuis seriam o suficiente para derreter até o mais duro dos corações.

O anjo soltou um último lamento antes de desaparecer do nada.

Como que em resposta, os olhos do padre ao ver o anjo desaparecer no vazio, arregalaram-se, sua boca se abrindo e fechando diversas vezes antes de emitir um grito estridente fazendo todos pularem pelo susto.

Vick que estava mais perto levou a mão em direção ao padre, chamando-o novamente.

-Padre?

Silêncio.

-Padre?

O silêncio se propagou.

-Padre?

-AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA.

Ouviu-se alguns xingamentos e algumas expressões de surpresa enquanto o padre saia em disparada correndo em direção a saída arrancando a batina.

¨¨¨¨¨¨¨

No helicóptero, Vaanny e Damon mantinham-se fitando-se com intensidade. Ela tinha milhares e milhares de perguntas, seus olhos diziam claramente isso. Ainda assim, naquele momento, não era preciso que Damon falasse mais nada, simplesmente por que nada mais importava. Só de estar ali com ele, sabendo que estava prestes a casar com seu Damon de verdade, ela sentia que nada mais importava no mundo.

A mão do vampiro estava entrelaçada à da garota, enquanto os braços dele estavam gentilmente ao redor do corpo pequeno de Vanessa. Era o momento perfeito entre os dois, de total entendimento. Ele não precisava dizer nada, ela entendia. Seu coração entendia.

Lentamente a garota sentiu quando Stefan pousava o helicóptero. Fora realmente uma surpresa ver o cunhado pilotando o helicóptero, mas agora sim ela entendia o porquê de sua ausência no casamento.

Stefan pousou o helicóptero com habilidade, saltando para fora assim que a máquina alcançou o chão. A porta abriu-se lentamente, revelando um Stefan trajando um terno cinza, com cabelos mais desgrenhados do que o normal. Eles haviam chegado.

-Senhorita, irmão. –Stefan recuou como se estivesse abrindo a porta de uma limusine. –Chegamos ao destino final.

Vanessa com a ajuda de Damon pulou do Helicóptero, cuidando para não sujar, amassar ou fazer qualquer coisa que pudesse prejudicar seu vestido.

Assim que pisou no solo ela pode perceber pela textura do terreno que se tratava de grama. Ela não pode impedir que sua boca se abrisse em um “O” quando seus olhos analisaram curiosos o ambiente em sua volta.

A lua cheia brilhava no céu negro, banhando tudo a sua volta em uma luz prateada.

Os olhos da morena arregalaram-se ao reconhecerem o lugar:

-Damon... – disse simplesmente, deixando o nome morrer no ar sem saber o que mais dizer.

Ela levou as mãos à boca, quase inconscientemente. Estivera naquele mesmo lugar diversas vezes antes, mas nunca à noite. Ela nunca tivera o prazer de visualizar aquele parque numa noite de lua cheia. O parque dos dois, banhado com a luz da lua deixava tudo ainda mais mágico do que já costumava ser. As árvores faziam sombra enquanto a luz da lua refletia no lago, lançando luz para todos os lados.

O moreno sorriu satisfeito ao ver a expressão da noiva:

-Viu Tefinha? Aprenda com seu irmão mais velho, é assim que se trata uma mulher – disse enquanto rodeava a cintura da garota com um dos braços e a guiava pelo parque.

O parque deles, onde tudo realmente começou.

Stefan em resposta a pergunta do irmão apenas lançou um olhar reprovador ao outro.

-Pronta para se tornar uma Salvatore, Vaanny?

-Vai por mim maninho, ninguém está realmente pronto para ter você na família, porém eu sou o suficientemente bom para fazer valer a pena – concluiu com um sorriso de lado para o irmão.

Stefan suspirou:

-Estava falando com minha cunhada Damon, não te ensinaram que entrar na conversa dos outros é falta de educação?

Vanessa estava perdida demais em pensamentos para interromper a discussão dos irmãos.

O parque aparentava estar preparado para recepcioná-los. O silêncio só era quebrado pelo som da água, cada vez mais perto, e pelas vozes de Stefan e Damon.

Além dos três, a única pessoa visível era um homem parado embaixo de uma das maiores árvores do parque, logo de frente ao lago. A morena não podia dizer ao certo, mas ele aparentava estar virado em direção a eles, encarando-os.

Vanessa quase não enxergava o homem parado ao lado do lago, mas a luz da lua refletida iluminava seu rosto. Era um homem de mais ou menos quarenta anos, de olhos castanho-claros, cabelos de um castanho escuro com singelos fios esbranquiçados. Ele sorria para os três, um sorriso verdadeiro e genuíno.

Suas vestes não deixavam dúvidas sobre sua profissão: era um padre. O padre que celebraria seu casamento com o homem de sua vida.

Damon tomou o braço da noiva no seu, fazendo a garota segurar o buquê com a mão esquerda. Enquanto isso, Stefan pegava gentilmente as alianças, segurando-as cuidadosamente enquanto praticamente corria até o lado do padre. Ele seria o porta-alianças, percebeu Vaanny com um sorriso de agradecimento ao cunhado.

Vanessa sentia seu coração batendo lentamente enquanto caminhava com Damon até o ‘altar’. A primavera fazia um contraste lindo, as árvores cobertas de flores tornavam a paisagem ainda mais bela do que a da igreja. A cada passo lento que davam, Vaanny sentia-se cada vez mais feliz, mais cheia de vida.

Havia música no ar, a natureza parecia orquestrar uma valsa própria só para eles. O som suave das águas do lago, o vento atravessando a folhagem das árvores.

Os olhos de Vaanny focaram-se no rosto de Damon, percebendo que ele também a fitava com intensidade. Havia brilho nos olhos azuis do moreno, um brilho intenso e de pura felicidade e satisfação em tê-la ali com ele, em torná-la sua eternamente.

Um sorriso brotou nos lábios de Damon, e instintivamente Vanessa também sorriu para o noivo, completamente feliz e realizada. Era mais do que ela sempre sonhara. Estava prestes a casar-se com ele no lugar mais significativo de toda a sua vida!

Os passos de Damon foram diminuindo lentamente enquanto os dois caminhavam, parando a quatro passos exatos de onde o padre estava parado.

-Eu te amo – sussurrou no ouvido de Vanessa, recebendo um sorriso enorme em resposta.

Ela olhou para frente, fixando seus olhos brilhantes no padre, ansiosa para estar finalmente casada com o homem de seus sonhos. Foi então que ela percebera que estava frente a frente com seu próprio nome e o de Damon, cravados ao tronco da árvore. A árvore deles estava bem ali, como se estivesse declarando o amor dos dois para o mundo.

-Estamos aqui reunidos nesta noite para celebramos à união – o padre começara com a voz cheia de emoção.

-Com licença, Sr. Padre – Damon cutucou o padre com a mão livre. – Será que dá pra pular pra parte do sim? Nenhum de nós dois está pensando em dar uma resposta contrária. – Terminou com uma piscadela.

Vanessa o encarou, reprimindo uma risada. Damon, sempre impaciente! Mas naquele momento, ela própria sentia-se impaciente. Já ouvira todo aquele discurso, e não a importava mais. Ela só queria casar-se de uma vez com o moreno.

-Er... Tudo bem então – o padre deu de ombros. – Já que preferem deste modo podemos ir diretamente aos votos então. O noivo poderia fazer seu juramento enquanto coloca a aliança na bela noiva?

-Com prazer padre. Venha Tefinha, sem enrolação, me alcance logo essa aliança que quero que chegue logo a parte do beijo.

A noiva sentiu o rubor subir por seu pescoço vendo o sorriso maroto que Damon lhe lançava.

Stefan aproximou-se de ambos estendendo as alianças.

-Seu sonho de ser daminha de honra como profissão infelizmente não vai se realizar Tefinha, você é péssimo nisso. – Damon disse ao irmão. Stefan apenas o ignorou, reprovando-o com um olhar.

O moreno fixou seus olhos aos da noiva enquanto pegava sua mão com gentileza e um enorme sorriso no rosto.

O coração de Vanessa batia cada vez mais rápido enquanto ela via Damon segurando sua mão com firmeza, passando-a certa confiança. Ele estava confiante sobre o que fazia. Isso era óbvio.

Ela também estava, para falar a verdade. Ela estava pronta para aquele momento desde que caíra nos braços dele, desde que passearam pela primeira vez juntos, desde que o beijara. Desde o ‘sim’ do noivado. Vaanny sabia o que queria, sabia que estar ao lado do moreno ia muito além de todos os seus melhores sonhos de menina. Encontrar seu príncipe encantado e casar-se com ele. Ela encontrara alguém melhor que o príncipe, alguém que a amava, que a fazia sentir-se a mulher mais linda, desejada e perfeita do mundo.

Esse alguém era Damon, e ela pouco se importava se ele era um vampiro e cometera graves erros no passado. Era passado, Damon já havia lhe provado que era diferente do Damon de anos atrás. Ele era seu Damon. Único, especial, divertido, romântico, sexy... Somente seu.

Música do momento

Uma lágrima escapou dos olhos castanhos da moça, caindo escorrendo suavemente pelas bochechas até alcançar os lábios dela que estavam abertos num sorriso de pura felicidade.

-Prometo – começou ele, seus olhos invadindo-a, uma maneira que só ele conseguia desvendá-la, uma maneira que apenas ele a fitava, um olhar que ele era o dono legitimo, suas mãos segurando a mão da noiva com delicadeza enquanto subia lentamente a aliança de ouro em seu dedo - lhe pegar no colo quando surgir uma poça d' água no meio do caminho; Prometo lhe entregar minha jaqueta quando estiver com frio, até mesmo minha jaqueta de couro preferida; Prometo que quando olhar para alguma mulher que não seja você, será apenas para dizer: você é a mais bela; Prometo não fazer tudo que você me pedir, porém fazer sempre o que sei que realmente lhe deixará feliz; Prometo sempre guiá-la nos momentos de escuridão, prometo ser sempre a luz de sua esperança, pra que dessa forma eu possa admirar o brilho de seus olhos; Prometo transformar suas lagrimas em sorrisos, e prometo fazê-la rir ao ponto de chorar; Prometo que nunca a amarei da mesma forma que a amei no dia anterior, mas sim amá-la cada dia mais, de uma forma infinita, que nunca terá um limite. Somente lhe amarei, hoje muito, amanhã muito mais; Prometo fazer de seus sonhos os meus também e juntos alcançaremos todos; Prometo surpreendê-la todos os dias, mas em um dentre esses dias surpreendê-la em dobro; Prometo que juntos iremos aproveitar cada dia como se fosse o último, e ao mesmo tempo viver cada dia como se fosse o primeiro, o primeiro dia ao seu lado; Prometo que todas essas são promessas que eu cumprirei, e que dentre elas há muitas outras que não me vem à cabeça no momento, mas que mesmo sem dizer eu seguirei; Por fim prometo estar sempre aqui. Prometo ser inteiramente e unicamente seu hoje, amanhã e por toda a eternidade. Prometo que você sempre será a única dona do meu coração.
Em resumo a todos esses ‘prometo’ – continuou, terminando por fim de subir a aliança e levando a mão da noiva ate os lábios, beijando-a de leve - digo apenas uma frase, três palavras, quatorze letras... Para sempre: você.

Vanessa sentia as lágrimas saírem de seus olhos de uma forma incontrolável. Ela sabia que era sua vez de dizer algo, sabia que era sua vez de dizer tudo o que sentia por ele. Tudo o que ele representava para ela. Mas como fazer isso? De que forma transformar sentimentos em palavras?

Há certos momentos que sabemos que deveríamos dizer algo, palavras bonitas, palavras sinceras, palavras bonitas e sinceras o bastante para tornarem-se inesquecíveis, porém em muitos desses momentos há tantas coisas que gostaríamos de dizer, tanta coisa a dizer que nada nos vem à cabeça. Nosso cérebro embaralha e nos traí roubando-nos todas as palavras. Emudecendo-nos. Mas não é necessário nos lamuriarmos por isto. Palavras são lindas? Sim, muito. São importantes? Sim, igualmente muito importantes. Porém o brilho de nossos olhos nestes momentos dizem tudo o que nossos lábios não são capazes de pronunciar. Eles falam por nós. Sentimentos não são facilmente descritos, mas nossos olhos mais até mesmo do que nossas palavras conseguem traduzi-los.

Os olhos dela, perdidos no oceano azul dos olhos dele, brilhavam. Um brilho que poderia até mesmo concorrer com o da Lua lá em cima, e que provavelmente ganharia.

Ela queria dizer: “Te amo por você entrar em minha vida. Te amo por você ser tudo e ainda mais do que eu sempre sonhei. Te amo por você estar ao meu lado sempre, em todos os momentos, os bons e os ruins, os felizes e os tristes. Te amo por você saber cuidar de mim até mesmo melhor do que eu mesma sei. Obrigado por apoiar-me todas as vezes que precisei disso, e obrigado também por ter ido contra mim nas vezes que estive prestes a tomar decisões erradas. Obrigado por tornar-se meu chão, meu mundo, meu tudo. Obrigado por aparecer em minha vida, e obrigado principalmente por permanecer nela e tornar-me parte da sua. Eu te amo e isso para sempre será assim”. Essas palavras simplesmente ficavam pulando em seu cérebro de forma desalinhada deixando-a confusa e impedindo-a de dizê-las, portando disse somente:

-Eu te amo. – Começou, colocando a aliança no dedo dele assim como ele havia feito. Sua voz, porém saindo embargada e as lágrimas continuando a escapar-lhe. – E para sempre serei sua.

O sorriso do vampiro, presente o tempo todo em seu rosto, ampliou-se. Seus olhos ainda a fitando.

O padre os encarava, sua boca pendia meio aberta. Tanto seus olhos como os de Stefan fixos nos noivos, Stefan com um enorme sorriso nos lábios.

-Bem – o padre finalmente conseguiu recuperar-se e dizer – então eu os abençoo como marido e mulher. O noivo pode beijar a noiva.

O moreno se aproximou mais da esposa enlaçando-a pela cintura, enquanto ela inclinava-se em direção a ele.

Damon inclinou os cantos de seu sorriso, satisfeito enquanto levava seus lábios aos dela.

Vanessa encarou-o por mais alguns segundos antes de abaixar lentamente as pálpebras, fechando os olhos.

Os lábios dele eram ao mesmo tempo sedentos e gentis ao contato com os dela. Sedentos por deixar claro que ele a queria, a queria mais do que tudo. Gentis porque sabiam que agora ela era só dele, apenas dele. Suas línguas se encontraram provando que a mesma sensação presente no primeiro beijo dos dois ainda estava ali, mais forte do que nunca, assim como Damon havia dito: Prometo que nunca a amarei da mesma forma que a amei no dia anterior, mas sim amá-la cada dia mais, de uma forma infinita, que nunca terá um limite. Somente lhe amarei, hoje muito, amanhã muito mais.

-Eu te amo – sussurrou ele contra os lábios dela. – Para sempre. Para sempre vai ser você. Para sempre: você. Somente você.

Amar é...
Sorrir por nada e ficar triste sem motivos
É sentir-se só no meio da multidão,
É o ciúme sem sentido,
O desejo de um carinho;
É abraçar com certeza e beijar com vontade,
É passear com a felicidade,
É ser feliz de verdade!

Albert Camus


FIM
avatar
Keroll Salvatore

Mensagens : 1194
Data de inscrição : 12/06/2011
Idade : 20
Localização : Banheira do Damon com o Damon, claro =D

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Para sempre: você [dedicado para Vaanny/ por Denise e Keroll]

Mensagem por Den!se ;D em Ter Jul 31, 2012 5:47 pm

Postada, espero que gostem e digam o que acharam, os comentarios podem ser feitos aqui mesmo Wink eu e a mana Keroll acabamos exagerando um pouco no tamanho, mas resolvemos postar toda ela hj por ser o aniversário da nossa mamys linda
Parabéns mamy sz
avatar
Den!se ;D

Mensagens : 1811
Data de inscrição : 26/07/2011
Idade : 21
Localização : Paraná

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Para sempre: você [dedicado para Vaanny/ por Denise e Keroll]

Mensagem por Jady_Delena em Ter Jul 31, 2012 8:48 pm

Hahaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, Cheguei manah ..
Ah que coisa mais linda..
PARABÉNS MAMY ..
Bom lendo e comentando, tenho certeza que vai ficar enorme esse coment's porque minhas manas são exageradas kkk' .

Um sorriso bobo apareceu nos lábios rosados da garota ao lembrar-se dele. Em apenas algumas horas ela seria oficialmente sua esposa, em algumas horas ela pertenceria eternamente a ele, tal como ele a pertenceria.
CASAMENTO? HAHAÁ Oh ameeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeei ..


A garota sentiu uma inclinação e levantou os olhos. A carruagem havia acabado de virar a esquina e entrado na rua da catedral.

Sim, ele pensará em todos os detalhes. Em cada mínimo detalhe em busca da mais genuína perfeição.
Mamys casando, Oh que coisa mais linda .. Quero ver como o Damonzão vai estar vestido haha ;;


A carruagem parou. O som dos cascos de encontro ao chão silenciara-se. Ela havia chegado.

MY GOD .. TA CHEGANDO, TA CHEGANDO ..


O moreno revirou os olhos azuis enquanto um sorriso surgia lentamente em seus lábios.

-Você está parada num altar, em uma igreja toda decorada com rosas. O que acha que acha que estamos fazendo aqui? Um velório? Como ainda não acredita?
Eu ri .. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' .. Poxa delicadeza do Damon me surpreende cada vez mais kkkkk'


-Se comporte, estamos em uma igreja.

O rapaz fez uma careta para a loura.

-Você tem muita força para alguém tão nanica - disse passando a mão na cabeça.
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK', É A DEH AI? .. KKKKK' OU A GIU? Porque eu sei que a Keroll é morena HSUASUAHAUSAHSAHS, lala .. Gente que confusão vocês estão fazendo na minha mente kkk'



-Pra você ver como são as coisas não é? Hoje em dia você consegue fingir que é alta, mas antigamente era do tamanho da polegarzinha - o moreno deu um sorriso irônico para a irmã.

-Algo contra as pequenas, futuro papy?

A voz da morena soou levemente irritada enquanto ela semicerrava os olhos e cruzava os braços contra o peito.

-Não futuras filhotas, nada contra vocês, mas vamos combinar que o histórico de relacionamentos da maioria das pequenas não é lá dos melhores. Olhe só o exemplo da Dê: namora uma ameba.

Damon apontou com a cabeça para o rapaz louro parado ao lado de Denise.
HSUAHSUASHAUSHAHSUAHSUAHSH, TADINHO DO SAMUEL POOOOOOXA, kkkkkkk' .. Mais ele é um gato kkkkk'

-Hey, hey, hey, olha o jeito que fala do meu Samy futuro padrasto. Samuel é um lindo, perfeito, tudo de bom – terminou com um suspiro enquanto o próprio sorria cheio de si.

-Não liga futuro papy, a Dê caiu de cabeça do berço quando era pequena, sabe? -Keroll sussurrou para o moreno em um tom conspiratório. - Não é culpa da coitada.

-Ah, então é por isso que ela vê o amebinha aí como um deus grego?
HSAUHSUASHASHUSHUHSUAHSUAHSUAHSAHSAUSAHSUHAUHSUAHSHUAHSUAHS, MEU TO RINDO MUITO AQUI, KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK', Damon com a sua iper delicadeza kkkkkk'

-Imagem distorcida é tenso né papy?

Os dois balançaram a cabeça ao mesmo tempo, olhando para Denise.

A loira boquiabriu-se:

-Cai do berço coisa nenhuma mana, sempre dormi igual um anjinho. E não é culpa minha se vocês fingem não ver toda a perfeição inacabável do Samy, porque com certeza perfeição pra ele é o que não falta. Mas deixa quieto, assim é melhor pra mim, sobra mais Samy. – Completou sorrindo.
KKKKKKKKKKKKK' ANJINHO? HAHAHAHÁ A Dê dormindo como um anjinho? kkkk' Ok eu ri, minha manah não é um anjinho kkkkkkkkk' mais o Samy é um gato kkkk'


Um rosa mais intenso tomou conta da face de Vanessa, todos a encaravam. Todos estavam ali. Suas filhas, Keroll acompanhada de Cam, Denise com Samuel, Giulia com Kol, Jady e Klaus, Paty com Troy. Seus netos Danielle, Clara, Feh também estavam ali, assim como suas duas mamys, Laala e Jennifer, e Vick, sua sobrinha, juntamente com Justin Hartley. A maioria de suas leitoras também estava ali, Isa, Jenny, as Juh’s, Miriam, Lu, Nanda, Jéssica, Gisa, Rafa, Thalyta, entre muitas outras.
KLAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAUS, Opa meu namorado ali oh olha que gatooooo meu namorado é neh? kkkkkkk' ..
Poxa bastante gente neh manas? kkkkkkk'


Quantos leitores, fãs e futuros fãs haviam aparecido para ver o lançamento de seu primeiro livro? Quantos autógrafos ela dera?

Autógrafos. Quem diria, ela dando autógrafos.
Mamy escritora ameei demais .. haha Otimo futuro esse .. To amando manah kkk'


-Parece que o carinha lá de cima acabou de perder um de seus mais belos anjos, e não estou muito propenso a devolver-lhe. - Disse, com um sorriso de lado.
kkkkkkkkkkkkkkk' Amei essa cantada kkkk' ,... Mtto foooooooooooofa,


-Va... Va... Vanessa, meu nome é Vanessa. – A morena gaguejou, sentindo-se afundar nos oceanos dos olhos que a encaravam.

O moreno deu um meio sorriso para a garota, colocando-a gentilmente no chão, ainda mantendo-a próxima a seu corpo. Tomou a mão pequena e macia dela delicadamente, depositando-lhe um singelo e demorado beijo, voltando a fitá-la profundamente.
Esqueçam os nomes .. BEIJA LOGO kkkkkkkkkkkkkkkkkkk' .. Chega logo nos finalmente kkkk'

-Gostei, mas acredito que esteja cansada, pelo que vejo ficou aqui a tarde toda. Então o que acha de fazermos um trato? Eu lhe pago um sorvete e sirvo de segurança impedindo que nenhuma fã doida lhe ataque pedindo autógrafo e você me diz o que lhe inspirou a escrever um livro, qual seu personagem preferido, como escolheu o nome de cada personagem. Pode dizer também qual sua cor preferida, altura, aniversário, se tem irmãos, onde nasceu, onde mora atualmente, onde quer morar, qual seu filme preferido, seu livro preferido, seu autor preferido... Se precisar posso fazer uma lista? – completou piscando.
Poxa depois dessa eu pedia a listinha hein, vai saber se tem cosia mais interessante kkk' Twisted Evil Twisted Evil Twisted Evil


-Provavelmente você não terá seu desejo realizado, mas garanto-lhe que de qualquer forma não será está sua escolha.

-E por que tem tanta certeza?

-Sou um cara extremamente charmoso, inteligente, divertido, sedutor, irresistível e cheio de qualidades incontáveis.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' ,. Oh Damon é o Damon kkkkkkkk' .. haha



-Não! Pensando bem, prefiro de morango – deu um sorriso constrangido.

-Pois bem. – Mais uma vez o homem pegou uma bola de sorvete de morango, mas quando estava prestes a colocá-la na casquinha, a garota voltou a gritar.
Mamys indecisa kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' .. Adoreeei HSUAUAHSUSAUSH,


-Você não vai querer?

Damon deu de ombros:

-Qualquer coisa você divide o seu. – Disse inclinando as sobrancelhas sugestivamente.

Vanessa abanou a cabeça conformada.
Dividir sorvete? EU já fiz isso kkkkkkkkkkkkkkkkkk' não deu muito certo manas kkk' Mais ta perfeito, lindo demais Damon como sempre sendo um gostoso e a Mamys delicada como uma rosa ameei kkk'


-Nenhum beijinho de boa noite?

A garota não teve tempo de responder, ou pelo fato de estar surpresa com a aparição repentina dele, ou por estar perdida no brilho intenso de seus olhos, ou quem sabe simplesmente porque não havia nada para responder.

Sem esperar uma resposta Damon sorriu
kkkkkkkkkkkkkkkkk' ,, Eu ri .. kkkkkkk' Muitooooo demais HSUASUAHSH


Ela tocou a venda com a mão, querendo espiar para ver para onde o moreno a estava levando, mas antes mesmo que pudesse puxar e ver uma brecha, uma mão quente e grande puxou sua mão de volta.

-Nada de espiar mocinha. – Damon deu uma gargalhada. – Como você é curiosa!

-O que você esperava? – perguntou entrelaçando seus dedos aos dele.
Lugar misterioso .. OPA ~ ME GUSTA ~kkkkkkkkkkkkkkkkk' pareeeey kkk'


-Não, mas eu aposto que sou capaz de desfazer esse biquinho rapidinho. É realmente uma pena que eu preze por sua vida e tenha que manter os olhos na estrada. Caso contrário...

-Damon! –Vanessa o repreendeu, corando altamente pelo comentário do namorado. –Comporte-se.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' ,
Poxa Damon já pensando coisas perversas kkkkkkkkkk' ..
DANADENHOOOOOOOOOO, kkkkk'

-Não estou te provocando – rebateu. – Isso sim é provocar.

Vanessa só pode sentir os lábios do moreno apossando-se dos seus rapidamente. Era sempre assim. Ele tinha a mania de beijá-la quando ela menos esperava.
OPAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA, Ai sim hein kkkkkk' .. haha Twisted Evil


Ela sorriu pelo modo como a voz dele saiu ansiosa e hesitante. O que quer que ele estivesse aprontado, estava temendo a reação dela. Talvez acreditasse que ela não iria gostar, mas aquilo era completamente ridículo. Tudo o que Damon fazia era perfeito para ela. Só de saber que ela havia feito aquilo por ela deixava a garota em puro êxtase.

-O que você aprontou, Salvatore? - Vaanny deu mais uma risada suave, com uma falsa repreensão na voz.

-Ninguém morreu, eu prometo – ele sorriu. – Só quero mostrar para o mundo o quanto eu te amo
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK', Gente QUE DAMON MAIS FOFO KKKKKKKK',
"MELODIOSA E SENSUAL" KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Manas eu rii demais kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk'


-Da... Da... Damon...

O moreno a impediu de terminar de falar levando seu dedo indicador até os lábios dela e mantendo-o ali:

-Psiu, agora é minha vez de falar. – Disse abrindo a caixinha sem tirá-la da mão dela.
Oh que coisa mais linda .. Oh amei demais kkkkkkkkkk'


-Meu nome é Dean, Dean Winchester. E estou aqui para alertar os presentes que nosso mundo é habitado por seres sobrenaturais, mas graças a mim e a meu irmão – indicou o outro estranho – Samy, mas principalmente a mim, vocês estão protegidos, não precisam agradecer, é eu sei sou um cara modesto. – Terminou exibindo um sorriso.

-Não me chame de Sammy, Dean, já disse que é Sam – o irmão o cortou sorrindo nervoso fazendo um aceninho para os ouvintes. – E acredito que ninguém aqui está com cara de que pretende agradecer por alguma coisa.
HSAUHSUAHSASHAHSUASUAHSASHASHAUSHUAHSUAHSUAHUSHUSHAUHSUAHSUAHHSAUHSUASUAHSAUSHAHSAHSAHSHAUSHAHSUASHAUSAUSHAUHSUAHSUASUAHSUAHS,
PORRA Ri demais .. kkkk' É SAMY .. Poxa o Samy é complicado demais com isso kkkkkkkkkkkk' ..
Mais eu ri demais HSUAHSUHSAUHSAHSHS


-Vai lustrar os caninos, descendente de morcego. – Dean respondeu olhando de forma ameaçadora para o vampiro. – E acho bom se afastar de Vanessa se pretende continuar com sua cabeça em cima do pescoço.

Vanessa ainda não havia se recuperado completamente do susto. Tantos seus olhos quanto sua boca estavam abertos em uma indicação de perplexidade e confusão.

Damon se preparava para retrucar Dean quando Samantha o interrompeu dando um passo para a frente:

-Cara, eu não lhe aconselho a ameaçar meu irmão. Quem você pensa que é para achar que tem o direito de invadir um casamento, dizer asneiras, e ainda falar que vai arrancar fora a cabeça de MEU irmão? Cai fora, o irmão é meu e sou a única que tem permissão de ameaçá-lo. – Disse em uma voz surpreendentemente ameaçadora.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' .. Ainda estou rindo muito ..
Poxa Pink e Cérebro me lembra a Paty kkkk'
Eu sou o Cérebro e ela é a Pink SHAUSHUAHSAHSAUSHAUHSUAHSAHSHAS, Ok neh kk'


-Sei sobre você também garota, você é igual ele, uma sanguessuga...

-Sangue suga é seu avô, projeto mal feito de Van Helsing. – Damon voltou a cortá-lo.

-Van Helsing é o...

-Won desculpe, eu quis dizer Buffy. –continuou o vampiro dando um sorriso irônico.

Dean se adiantou levando a mão para dentro do próprio casaco em busca de alguma coisa, mas Sam o impediu de continuar.

-Dean, estamos em desvantagem. Estamos apenas em dois, vai saber quantos deles são vampiros.

-Não saio daqui sem Vanessa, se você quer ir pode ir, mas nem pense em encostar um dedo no meu Impala. Minha boneca fica onde tá. Você tá precisando mesmo de um exercício, o último metamorfo que achamos quase acabou com você.

Sam bufou:

-Não fui eu quem apanhou da Paris Hilton.

-Cala a boca, era um deus pagão, pô. – Dean se defendeu.

-Calma meus filhos, mantenham a calma – o padre interrompeu – vocês estão em um lugar sagrado.
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' ,, Mano sem comentarios eu ri demais vey ..
ESTOU RINDO AINDA kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' .. Poxa kkk'
Dean e o Samy mtto bestas kkkkkkkkkkkk'


Castiel piscou confuso com uma calma inabalável:

-Eu fui enviado pelo Senhor porque Vanessa não pode casar-se com ele – disse apontando para Damon – as escrituras não permitem.

-Mas que mané escrituras o que Cass? – Dean o cortou. – A não ser que essas escrituras dizem que Vanessa deve ficar comigo, não acredito em nenhuma delas.

-As escrituras dizem...

-Que Vanessa nasceu para mim.
PORRA COMO ASSIM NÃO PODE?
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' EU RI COM O "QUE VANESSA NASCEU PRA MIM" kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk'


-Mas que mania desse povo de me chamar de nanica! – gritou furiosa. – O próximo que me chamar de pequena, eu juro que arranco a cabeça fora!

-Tudo bem, tudo bem! – Cameron, o acompanhante da menina, segurou-a pelos ombros, tentando acalmá-la. – Hei Dan! É falta de educação entrar em um lugar sem ser convidado!

Daniel encarou o irmão, bufando em seguida. Até parece que ele dava à mínima.

-Está do lado deles?

-Sou convidado – deu uma piscadela. – E é melhor você esquecer isso, cara. A garota está prestes a dizer sim para o vampiro aí.
ISSO AI MANAH KEROLL BOTA PRA QUEBRAR .. kkkk'


-E seu “amigo” está prestes a sair pela janela. – Damon rebateu, dando uma cotovelada em Samuel, fazendo o louro cambalear. – Na verdade, todos vocês. Que fuzuê é esse no meu casamento? Vaanny é minha e ninguém tasca a mão nela! Quero ver quem vai ser o primeiro a tentar.

-Hey futuro papys, pega leve, meu Samy só está querendo ajudar – Denise interveio, segurando o braço de Samuel ajudando-o a recuperar o equilíbrio. - Mas preciso concordar quando diz que a mamys é sua. Então povo, podem ir pegando o rumo de casa, seja ela no céu ou onde for, eu e as manas não damos permissão para que a mamys se case com ninguém além do Damon.
ISSO AI MANAH DÊ .. BOTA FOGO NA IGREJA KKKKKK'


-É isso aí – Jady entrou na conversa. - Circulando galera, aqui não é show de caridade nem abrigo pra sem-teto! Vão pegando a BR.

-Isso não é hospício nem parque de diversões pra vocês entrarem sem ser convidados contando histórias sem sentido. – Paty apoiou a irmã.

-Então saiam logo daqui antes que as coisas fiquem bem ruins pra vocês. – Giulia complementou.
ISSO AI Jady kkkkkkkkkk' Nada de caridade kkkk' ;;
Isso mesmo Paty kkk' .. Isso a Giu kkkkkkkkkkkkkk' .. haha


-Mana ele deve ter entrado em estado de pânico ao ver a cara do Samuel.

Keroll riu chegando mais para perto e encarando o padre também:

-Concordo com você mana Giu, Dê você não poderia ter arranjado algo melhor não? – pediu virando-se para Samuel e fazendo uma careta para ele.

O loiro fechou a cara.
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' MALDADE POXA .. TADINHO DO SAMY .. kkkkkk'


-Concordo com você mana – Jady entrou na conversa – ele é realmente gos...

-Maaana!

-Ops... mas não se preocupa mana, eu tenho meu Klaus. – Completou passando a mão pelo peitoral do vampiro.

Klaus lhe devolveu o gesto com um sorriso sedutor, puxando-a para si.
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' .. Vou rir mais um pouquinho Ok? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' Manoooooooooow ..
Que peitoral hein manas ..
POOW DELICIA DE KLAUS ..
E realmente o Samy é um gostoso kkkk'


-Tia Vaanny tá nervosa. – Dayne disse baixinho ao irmão em sua voz fininha e doce.

Daniel assentiu:

-É isso ai tia Vaanny mostra quem você é. – Daniel disse mais alto sorrindo maroto.
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' ISSO AI DANIEL KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' .. kkk'


-TANTO FAZ – a noiva gritou sem virar pra ver quem havia dito aquilo, porém assombrou-se ao ver quem era - Edward? – pediu sem acreditar – Edward? – voltou a perguntar incrédula – Edward Cullen?

Edward sorriu, seus cabelos cor de bronze em um desarrumado encantador:

Ok ele era bonito... Não, lindo, mas mesmo assim tudo o que ela queria era seu Damon.
PORRA ATÉ O EDWARD? .. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' .. Meu Deus kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk'


-Não diga isso de Stef, Damon, ele é nosso irmão. E poxa... – seus olhos foram até Edward vendo a pele do vampiro brilhar como cristais a fraca luz de fim de tarde –... cara você brilha – disse fascinada. - Por que eu não brilho? – pediu desapontada. – Eu quero brilhar – completou sonhadora.

Damon a analisou como se duvidasse do que a irmã havia dito:

-Se joga na purpurina, maninha. Ou melhor: por que você não mostra a saída par ao Sr. Cintilante? Ele pode lhe indicar o melhor lugar, a melhor marca, e coisas assim para que você acerte de primeira na purpurina.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' .. mano eu rii demais kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' .. Adorei essa parte kkkkkkk',


-Acredito que isso tenha sido uma ofensa. – Disse confuso.

Dean soltou uma gargalhada sonora:

-Vai por mim Cass, elogio é que não foi.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' .. ISSO AI DEAN ... kkkkk'
Até o Edward afim dela? HSUASUASAHSHAUSASHHSUA ..
Caracas Mamys ta podendo kkk'

-Que Ficar com você o que ô cara e fuinha, Vanessa nasceu para mim, somente eu poderei protegê-la de seres iguais a vocês. Eu a manterei protegida e feliz – Dean avançou empurrando a mão de Edward para longe e ficando de frente a Vanessa. – Venha comigo Vaanny, sou divertido, bom partido e lhe ofereço proteção de qualquer ser seja ele vampiro, lobisomem, transmorfo, fantasma, ou estátua de cera possuída.

Daniel surgiu, empurrando Dean e pegando a mão de Vanessa, enquanto a encarava profundamente.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' .. DISPUTAÇÃO PELA VANNY .. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK'
Estatuá de cera é foda kkkk'

Um vento suave fez com que os cabelos da garota voassem levemente. Ela sabia quem estava ali sem que precisasse virar-se. Vanessa fez uma careta. Mais um de novo?

-Vaanny, sabe que posso tirá-la daqui quando quiser.

-Será possível que esse palhaço está tentando tirar proveito da situação? – Giulia apareceu na frente de Vaanny, extremamente irritada.

-Percebi a mesma coisa! –Vicky semicerrou os olhos para o louro.

-Depois de toda essa confusão, eu estou louca para bater em alguma coisa. – Keroll deu um sorriso largo.
POXAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA, A Mamy ta podendo hein kkkkkkkkkkkkkkkkkk



-Melhor ainda se for um anjo caído metido a sabe tudo. – Jady continuou a frase da irmã.

-Não esquecendo que esse anjo caído metido a sabe tudo está querendo roubar nossa mamy. Paty prosseguiu.

-É hoje que vamos ter o prazer de despenar um anjo. – Denise comentou transformando os olhos em fendas.
AS MANAS PREDOMINAM ..
HAHA #Batemanas .. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk'



O anjo preparava-se para começar a movimentar as asas para levantar voo esticando ambas as mãos para Vanessa quando sentiu alguém o cutucando nas costas.

Virou-se para ver quem era e antes que pudesse desviar levou uma bolçada na cara.

Jady levantou novamente a bolça acertando o outro lado do rosto do anjo antes que ele se recuperasse.

Daniel fez menção de tenta levantar voo novamente, mas foi impedido.

Giulia se agarrara em uma de suas asas e Denise na outra, ambas as puxando com força para baixo.

O anjo debateu-se fazendo uma careta:

-Me larguem.

-Que parte do ‘não’ da mamys você não entendeu, Oxigenado? – Keroll pediu, puxando com força a cabeça do anjo para trás pelos cabelos.

-O assunto é entre mim e Vanessa, portanto vocês não tem nada o que se meter na conversa. – O loiro cortou.

EU DEI UMA BOLSADA NELE? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' Eu ri demais kkkk' cheers kkk ISSO AI MANAS VAMO QUEBRAR A CARA DESSE ANJO METIDO A BESTA KKKKKKK'


-E vê se aprende uma coisa: não fique insistindo quando uma mulher lhe der um ‘não’ pronunciado de forma tão clara e objetiva, acredite, isso pode pegar super mal pro seu lado. – Denise o alertou torcendo a asa do anjo com um sorriso no rosto.

-Não pedi sua opini...

A frase morreu no ar.

Paty havia avançado para o louro acertando em cheio o punho no rosto do anjo com o máximo de força que conseguiu reunir.

-Vá comprar uma auréola e vê se nos erra. – Disse ela, pronunciando as palavras silabicamente.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk', ISSO AI PATY, QUEBRA TUDO MANA KKKKKKKKKKKKKK'


-Aproveita e compra um novo par de asas, porque as suas não estão mais no que se pode chamar de “perfeito estado”. – Jady completou, pegando uma pena no chão e a analisando antes de soltá-la no ar e assoprá-la em direção a cara do anjo.
HAHAHAHAHAHAHÁ SOU MALVADA KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' affraid
Amei tadinho do anjo poxa .. deve ter doido pakas hein kkkkkkkk'


-Já nos divertimos o suficiente, o que acha de colocarmos a cereja no bolo, primo?

Damon desviou de mais um golpe de Edward, agarrando o braço do vampiro e torcendo-o com força, enquanto o erguia no ar e o jogava com uma velocidade quase absurda de volta ao chão, quebrando o chão com o impacto.

O moreno encarou Samantha com um sorrisinho cínico pendurado em seus lábios perfeitos.

-Ah, logo agora que eu estava curtindo zoar com a cara dessa purpurina ambulante, prima?
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' ,, ISSO AI DAMON, KKKKKK' A MAMY É SUA KKKKK'



-Deixa comigo Samy. Nunca me diverti tanto em um casamento! – o garoto olhou para cada um dos intrusos, percebendo como todos já estavam recuperados e prontos para um segundo round. –Vamos brincar agora, meus caros penetras!

Um arrepio percorreu a espinha de Vaanny. Brincar? As brincadeiras de Aodh não eram muito saudáveis.

-Sai da frente pirralho! – Dean andava mancando em direção ao altar.

-Vou ignorar seu comentário. Estou de muito bom humor hoje. – Aodh deu uma piscadela. – É o seguinte, vamos brincar de “O Mestre Mandou”, beleza? Eu sou o mestre!

-O que ele vai fazer? – a voz de Sam expressava toda a confusão que sentia.

-Prontos ou não, aí vamos nós! – Aodh ergueu o dedo para Daniel que estava prestes a levantar-se novamente. –E o mestre diz... Estátua!
OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOK, Neh .. kkkkk'
Momento -- EU SOU O MACHO ALFA AQUI KKKKKKKKKKKKKKKK' ..
(Lembrei do Klaus) kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' Twisted Evil



-Eu acabei sendo a mais sortuda com tudo isso. Como pode, olha a perfeição! – Denise comentou baixinho, quase babando.

-Posso procurar por séculos, mas não vou achar perfeição nenhuma, só vejo um Samuel cara de pastel, Dê. – Keroll respondeu revirando os olhos.

-Eu falei aquilo em voz alta? – Denise pediu arregalando os olhos. – Eita, era pra ter ficado em pensamentos. – Concluiu corando.

-Pensamentos fugitivos, mana? – Paty interpelou dando risada.

-Pra dizer que o Samuel é perfeito só em pensamentos fugitivos mesmo. – Giulia concordou.

-Que isso, manas, perfeição é o que não falta no Samy. – Denise defendeu.

-Concordo, Samuel com certeza não é de se jogar fora. – Jady admitiu.
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' Essas são as melhores partes kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk' .. Diálogos em família kkk'


-Padre?

-AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA.

Ouviu-se alguns xingamentos e algumas expressões de surpresa enquanto o padre saia em disparada correndo em direção a saída arrancando a batina.
´Padre loucos neh manas? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK' ..
Vey amei demais manas kkkk'


-Damon... – disse simplesmente, deixando o nome morrer no ar sem saber o que mais dizer.

Ela levou as mãos à boca, quase inconscientemente. Estivera naquele mesmo lugar diversas vezes antes, mas nunca à noite. Ela nunca tivera o prazer de visualizar aquele parque numa noite de lua cheia. O parque dos dois, banhado com a luz da lua deixava tudo ainda mais mágico do que já costumava ser. As árvores faziam sombra enquanto a luz da lua refletia no lago, lançando luz para todos os lados.
Que coisa mais linda ..
Manas então coment's acaba por aquii .. mais saibam eu está tudo perfeito e tenho certeza que a Mamy vai amar haha ..
Amei demais ..
Principalmente as partes onde a família esta reunida ..
CARA A MAMY TA PODENDO HEIN?..
Está perfeito manas .. ameeei demais haha, ..

Beijooos manah s2s2
avatar
Jady_Delena

Mensagens : 282
Data de inscrição : 03/05/2012
Idade : 19
Localização : São Paulo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Para sempre: você [dedicado para Vaanny/ por Denise e Keroll]

Mensagem por Delena_Somerhalder em Dom Ago 05, 2012 10:45 pm

Chegueiiiiii para a alegria de vocês (eu sei.. eu me acho muito).....
E ai manas tudo bem??
Estou atrasada como sempre né.... mentira na verdade, eu li ela quinta feira, só que quando eu estava com um coments GIGANTE, o meu Netbook deu problema e desligou... ou seja, perdi tudo o que tinha escrito =(
Fiquei puta da vida né!
Ai eu revoltei, e só comecei a escrever de novo ontem (sabado).
Mais... vamos la escrever tudo de novo então porque minhas mainhas e a mamys merece um coments BEM GIGANTE!!!

Então gente a fic além de alguns personagens de TVD também possui personagens de Supernatural, Fallen, Crepúsculo, e também alguns originais da minha fic ( Brilho Eterno), da fic da Keroll (Love Never Dies) e da Vaanny (Tempestades Furiosas/Estrela da Escuridão).
Maninhas... sinceramente, parece que vocês adivinharão as minhas series favoritas, meu filme favorito, meu LIVRO favorito e OBVIO as minhas fics favoritas!!!

Os dedos da garota enterraram-se no tecido macio. Seus olhos fecharam-se, enquanto correntes de expectativa a envolviam por completo. Nem mesmo o melhor dos sonhos poderia alcançar tamanha perfeição em que era a realidade em que estava vivendo. Respirou fundo.
Meninas... me digam, só eu pensei besteiras nisso??? Gente... minha mente está muito pervertida essa semana PQP! Culpa da Jady! (aqui não é culpa da Rita, é culpa da Jady u.u)

Um sorriso bobo apareceu nos lábios rosados da garota ao lembrar-se dele. Em apenas algumas horas ela seria oficialmente sua esposa, em algumas horas ela pertenceria eternamente a ele, tal como ele a pertenceria.
Tá parecendo eu ow! lembra de uma pessoa e sorri a toa!!!

Que a fazia sentir-se a única, a mulher mais especial e amada de todo o mundo.
Só por essa frase eu já sei que é o Damonzito neeh!!!
É... eu sei, ele é perfeitooo..

A garota sentiu uma inclinação e levantou os olhos. A carruagem havia acabado de virar a esquina e entrado na rua da catedral.
Carruagem?? *o* que lindooooooo!


Vanessa deslizou os dedos pelo couro negro do assento macio. Um sorriso brincando em seus lábios delineados com um rosa claro. Um rosa que se distinguia bastante das rosas vermelhas que acompanhavam as delicadas flores brancas que terminavam de acrescentar um charme extra a carruagem, margeando suas janelas e extremidades.
Genteeeee que coisa mais... princesa!! Amey! muito perfeito!


Seus dedos trêmulos deslizaram sobre o vidro como se quisessem ter certeza de que tudo aquilo era real e não o mais belo e perfeito dos sonhos.
Quero ter um sonho desse isso sim! kkkkkkkkkkkkkk

O coração da moça ameaçava sair do peito. Ela tinha total certeza de que lá dentro, o belo moreno de olhos azuis que esperava por ela podia ouvi-lo perfeitamente bem.
My god... eu estou SIMPLESMENTE pirando aqui manas!!!
Estou tremendo pakas!!!

-Tem certeza de que vai querer passar um tempo conosco irmãzinha? - um sorriso malicioso tomou conta das feições de Damon. - Eu não me responsabilizo por nada que você possa ver ou ouvir por uns... Mil anos, mais ou menos.
É a Samantha pow???
Vou continuar lendo para saber vey...

-Estou praticando Boxe, sabe como é, né? É bom saber se defender – disse rindo. – E não venha com essa de nanica, não sou tão pequena assim e hoje estou de salto – continuou, levantando um pouco o pé e mostrando a sandália de tiras para o irmão – onze centímetros, portanto hoje estou igual gente grande. – Complementou com uma piscadela.
Tenho quase certeza que é a Samantha alien


-Não futuras filhotas, nada contra vocês, mas vamos combinar que o histórico de relacionamentos da maioria das pequenas não é lá dos melhores. Olhe só o exemplo da Dê: namora uma ameba.
Mana Deeeeeeeeeeeh!!!! Esse Ameba é o Samuel gente??

-Não liga futuro papy, a Dê caiu de cabeça do berço quando era pequena, sabe? -Keroll sussurrou para o moreno em um tom conspiratório. - Não é culpa da coitada.
Mana Keroll tá com quem???

O foda é que eu vou perguntando só que eu vou ler e saber... a foda-se vai! kkkkkkkkk

-Imagem distorcida é tenso né papy?
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk que dó vey!!! Eu racho com a Mana Keroll vey!!

Keroll franziu a testa enquanto balançava a cabeça negativamente. A morena abriu a boca, pronta para retrucar as palavras da irmã, mas antes que pudesse fazê-lo, as enormes portas da catedral abriram-se, deixando a luz do crepúsculo entrar juntamente com a bela garota vestida de branco.
Aaaah... Amey a chegada da mamys mais queria ver a Keroll dando o barraco dela! kkkkkkkkk A mays deve estar muito linda pow!!!

Todos estavam ali. Suas filhas, Keroll acompanhada de Cam, Denise com Samuel, Giulia com Kol, Jady e Klaus, Paty com Troy.
Aaaaaaaaaahhh Keroll o Cam é muitooo lindo pow! Mais prefiro o Daniel... mana Deeh com o lindo da ameba, mana Giu com o gostoso do Kol (amo muito), Jady com o lindo do Klaus e eu com o fofo do Troy!! genteeeee eu com o troy!! nossa como eu sou idiota poxa... kkkkkkkk alien

As mãos de Damon começaram a suar, certo, agora sim ele percebia o quão nervoso estava. Seu coração batia tão forte contra o peito que ele estava quase com dificuldades para respirar normalmente.
Gente, eu não imagino o damonzito nervoso vey....Mentira, imagino sim!! Aiii que lindo! eu to quase chorando aqui... me emociono facil em casamentos....

manaaaass! que vestido lindooo pow!!
Lindo mesmo!!! Adorei!
aaaaaaaaahh OMG Manas... eu amo essa musica!!


enquanto dava passos lentos em direção ao altar, carregando as alianças de ouro.
Porrah, eu já estou chorando só por causa da musica! kkkkkkkkkkkkkkk

Simplesmente era impossível deixar de olhá-lo. Deixar de admirá-lo. Deixar de perceber cada mínimo detalhe que o tornava perfeito.
O pior que é verdade!! Como a Nina consegue ficar sem olhar para o Ian gente??


Seus olhos encheram-se dos dela, Damon já não conseguia mais prestar atenção em nada. Era apenas ela, ela que tomava cada canto de sua mente, cada mísero espaço dentro do coração do vampiro. Ele sabia que todos os anos que já havia vivido de nada havia valido. Não significavam mais nada para ele, sendo que ela não estivera com ele naqueles anos tenebrosos de sua vida. Era o agora que o importa, e ele faria tudo por ela. Tudo para mostrá-la que ele seria capaz de dar a ela todo o amor que ela merecia, eternamente, enquanto ele existisse.
Meu deuss meninas.. eu estou chorando horrores!!! Vocês adoram fazer essas cenas fofas e colocarem musicas dramáticas só para eu chorar né??!

Há quanto tempo ela vinha sonhando com aquilo? Um mês? Um ano? Sua vida toda. Sua vida toda ela imaginou quem seria a pessoa que conseguiria fazer com que seu coração acelerasse, pernas bambeassem, borboletas invadissem seu estômago, como se lhe tivessem roubado todo seu autocontrole, todo seu domínio próprio. Como se ela virasse dependente da presença desse alguém. E esse alguém era Damon. Seu Damon.
Manas.. vocês estão escrevendo MUITOOOO bem!!! Estou amando mesmo! e chorando obvio!

A garota mordeu o lábio inferior se impedindo de gritar de felicidade. Olhou em volta, as únicas pessoas estavam espalhadas, algumas pela fila do caixa, outras absorvidas na sinopse de algum outro livro.
aiiii que fofa a mamys escritoras!!!

Com cuidado começou a subir, tentando manter o equilíbrio dos livros com uma mão só enquanto a outra a ajudava a subir.
Sou a unica pessoa que tenho medo de escada assim? Que quando vou subir eu passo meu braço em volta dela?


Não, não, ela ia colocá-lo dali mesmo, do chão ela sabia que não passaria, só precisaria tomar cuidado para não deixar seu pequeno e delicado baby, de letrinhas bem distribuídas e folhas sensíveis com cheirinho de novo, cair no chão.
Tipo assim neeh: foda-se se vou quebrar o braço, o importante é que o livro fique a salvo....

Foi como em câmera lenta, sentiu a escada deslizando, seus pés perdendo o equilíbrio, seu corpo caindo rapidamente, estava prestes a chocar-se ao chão quando sentiu seu corpo cair em algo macio e quente.
Bracinhos de Damonzito Salvatore cheers

-Parece que o carinha lá de cima acabou de perder um de seus mais belos anjos, e não estou muito propenso a devolver-lhe. - Disse, com um sorriso de lado.
Aiiiii que coisa fofaaaaaaaa! Estou imaginando aqui a cena!!

O moreno abaixou-se também, disposto a ajudá-la, estendeu a mão para pegar cuidadosamente o livro, quando de repente algo o surpreendeu. Vanessa não havia tido tempo suficiente de parar sua mão quando percebeu que ele também havia abaixando-se em direção ao livro, fazendo com que suas mãos se tocassem.
Estou fazendo um filminho tão fodastico na minha cabeça aqui.....


-Quem impede a autora de cair ganha algum brinde? – perguntou inclinando uma das sobrancelhas e ampliando o sorriso.
O o Damonzito conquistando mais ainda a mamys....

-Tenho tempo de sobra, e tenho certeza de que após passar alguns segundos em minha presença você não vai mais querer se afastar. Sabe como é – segredou – sou uma companhia extremamente agradável.
Damonzito se achando como sempre né manas....


-Provavelmente você não terá seu desejo realizado, mas garanto-lhe que de qualquer forma não será está sua escolha.
Se eu fosse a mamys já teria agarrado esse homem poxa... kkkkkkkkkk

-Sou um cara extremamente charmoso, inteligente, divertido, sedutor, irresistível e cheio de qualidades incontáveis.
Ele se acha mais tem razão! kkkkkkkkkkkkk

Vanessa olhou o moreno abaixar-se em um canteiro de uma loja, pegando uma delicada Gérbera vermelha suavemente, virando-se para a morena e abrindo um sorriso extremamente doce que a fez esquecer-se de respirar.
Porrah, se eu lendo já fiquei sem ar imagine a mamys na historia pô!!

-Bem, esta flor significa inocência, pureza. Ela demonstra sensualidade, charme, amor, nobreza, alegria, simplicidade. E além de tudo... É linda. - ele estava sério. - E todas essas características são o resumo do que seus olhos me traduzem.
Mellll deusssssss! Como ele esta fofo!!! Pliss me dá um homem desse vai manas????

-Espere! Acho melhor chocolate. Sim, chocolate.
Indecisão é foda! tambem sofro disso gente....

-Coloque duas bolas, uma de cada sabor.
kkkkkkkkkkk to falando que alem de lindo, sexy, sensual e entre outras coisas, ainda é inteligente e criativo! kkkkkkkk

A garota se preparava para procurar o dinheiro em sua bolça quando Damon a impediu, pegando sua própria carteira no bolço traseiro de sua calça diz escura e pagando o sorveteiro.
Como eu queria ser essa carteira gentee! kkkkkkkkkkkkk

-Quero o de coração. O de coração vermelho metalizado.
Damonzito sempre fazendo otimas escolhas...


Respirou fundo obrigando-se a continuar andando de forma lenta e não correr diretamente para os braços de Damon. Seu coração saltando cada vez de maneira mais frenética dentro de seu próprio peito, como se não bastasse isso ela estava ciente de que os vários vampiros presentes poderiam ouvi-lo sem problema algum.
A mamys nem deve estar com vergonha ae neeh! kkkkkkkkkk

Ele deu um de seus sorrisos calorosos para ela, aquele sorriso que a fazia sentir-se em casa. Amada, bem-vinda. O sorriso que era só dela.
Que coisa mais fofa pow!!!

Os pensamentos de Vanessa voaram de volta para o dia em que conhecera Damon. Ele fora um incrível cavalheiro com ela, fazendo-a rir de seus comentários, de suas piadas, de suas caretas quando ela sujava sua bochecha com sorvete... Ainda assim, era sem sombra de dúvidas o melhor encontro da vida dela.
Se sujar de sorvete eu lembrei da Jady pow! kkkkkk o garota que consegue se sujar comendo em! kkk
é incrível essa capacidade dela...


Damon havia acabado de contar uma piada sobre como um esquilo, bichinho que a morena sempre considerara fofo, poderia ser violento. Segundo ele seu irmão mais novo já havia sido atacado por um bando de esquilinhos revoltados, Vanessa precisava admitir que não havia entendido direito como é que o irmão dele havia ido parar junto com esquilos, e o que ele fizera para ser atacado por animaizinhos tão encantadores. Porém ela não havia conseguido deixar de rir ao ver Damon contando a cena.
Manas má vey!! Vocês sabem que eu tenho fortes ataques de risos po!!!
Estava bebendo coca cola ainda! PQP!
Não to conseguindo parar de rir...

-É, acho que está na hora de ir. – Ela o encarou, forçando um sorriso que saiu mais como uma careta. – Obrigada pelo balão, pela flor, pelo sorvete... Enfim, pela ótima tarde. Eu me diverti muito.
Momento triste da vida... ter que abandonar aquele DEUS grego ambulante.....


Sabendo que precisava por um fim naquilo logo, antes que se jogasse para cima do moreno e o abraçasse para nunca mais soltar, a garota fez um ultimo aceno com a mão enquanto saia do carro fechando a porta em seguida.
Agarra logo ele mãe!! foda-se nosso pai (que eu nem sei quem é u.u)


A morena preparava-se para obrigar-se a seguir em frente quando de repente ouviu o som da porta do carro batendo novamente. Quando virou-se para checar o que havia acontecido, Damon já estava ali, contornando o carro e andando em direção a ela com um sorriso maroto estampado em seu rosto.

Esse é o bom de ser vampiro u.u !! chega no lugar desejado facin facin e em meio segundo! kkkkk
Genteeeeeee lembrei do Paul Wesley na comic con: "sexo vampiresco é tão rapido que se pode fazer até na cafeteria" ai o Ian "Starbucks esperando um latte" gente eu ria de mais! kkkkkkkk

O moreno fez um biquinho, franzindo a testa enquanto ficava frente a frente com a garota.

-Nenhum beijinho de boa noite?
Ai ai ai ai Mamys... AGARRA LOGO ESSE HOMEM POW!

Mas algo, algo que nem mesmo ele sabia que poderia existir dentro de si o alertava. Alertava para que não a deixasse partir.
E o amor está no ar.....

Vanessa sentiu seu corpo preso contra o dele na mesma hora em que sentia os lábios dele, macios e quentes, contra os seus. A língua dele abrindo caminho de modo suave por seus lábios antes de começarem a dançar juntas de maneira sutil.
Invejinha da mamys pô!!!

Lembranças de cada um dos dias que contribuíam para que chegassem até ali. Porém, dentre todas elas, uma se destacava.
Que coisa mais fofa genteee!!

-Paciência Vaanny, paciência. Logo você verá – disse acariciando a mão da garota com o polegar. – Vai valer a pena, tenha certeza disso. Eu espero por isso há muito tempo.
Pessoinhas lindas, entendem uma coisita... TUDO que o Damonzito faz vale a pena....

-Claro que sei, hoje está completando dois anos do dia em que você me salvou da escada assassina. Não acredito que você acha mesmo que exista uma possibilidade sequer de que eu esqueça que dia é hoje. Mas você não me deu minha dica.
2 anosss affraid
Mamys prendeu mesmo Damonzito com ela em! kkkkkkkk

-Damon, você esta abusando muito. Não é comum ver pessoas com uma velocidade inumana por ai.
Nada que o Damonzito faz é comum baby!

Vanessa só pode sentir os lábios do moreno apossando-se dos seus rapidamente. Era sempre assim. Ele tinha a mania de beijá-la quando ela menos esperava.
Mais vai falar que no le gusta! kkkkkkkkkkkkkkkkkk

-Seus sentidos estão afinados, mas não pegue a mania de Stefan de ser estraga prazeres, amor, espere até chegarmos ao destino final para depois adivinhar.
Coitado do Tetefi... Até quando está quieto no canto dele ele se fode com as piadinhas do Damonzito! kkkkkkkk


-Está claro que estamos em um parque, e conhecendo-o como conheço já posso deduzir que é o nosso parque. Bem... Não nosso “nosso”, mas de alguma forma especial.
Será???!

-Ninguém morreu, eu prometo – ele sorriu. – Só quero mostrar para o mundo o quanto eu te amo
Tipo né: Damon aprontar alguma significa que ele matou alguem! kkkkkkkkkkkk
rachei vey!


Fora ali que Damon havia pegado sua mão pela primeira vez, a feito sorrir com suas caretas e suas piadas. Fora ali em que ela percebera como os olhos dele brilhavam quando a observava, como o perfume dele era gostoso, como ele era lindo. Era a árvore dos dois, e agora quem passasse por ali saberia disso.
Gente estou muito sensivel hoje... está muitoo lindoo!!


Ali, no tronco da árvore, havia dois nomes escritos dentro de um coração. Dois nomes escritos na caligrafia perfeita de Damon: Vanessa e Damon, para sempre.
Sou a unica pessoa que nunca conseguia escrever em uma arvore?? kkkkkk


-Quando viemos aqui pela primeira vez você disse-me que muitas pessoas acreditavam que ao gravar as iniciais ou os nomes de duas pessoas que possuíam algum tipo de ligação, essa ligação se intensificaria ficando cada dia mais forte, e que ela ficaria cravada nos corações dos envolvidos assim como os nomes cravados na árvore. Para ser bem sincero não sei se acredito nisto, porém quero que entenda que esta árvore sendo magica ou não, você não apenas cravou seu nome em meu coração, mas também roubou-o inteiramente para você. – Damon disse, sua voz melodiosa e sensual.
GENTEEEEEEEEEEEE QUE COISA MAIS FOFAAAA!!! QUEREM DECLARAÇÃO MELHOR QUE ESSA?? e ainda mais vindo de um lindo e gostoso do Damonzito...


Com um riso fraco, entrecortado por um soluço a garota pulou para cima do namorado. Seus braços o envolvendo pelo pescoço e apertando-o com força:
Aleluiaa a mamys agarrou ele... estou esperando esse momento agarração desde o começo da fic! kkkkkkkk

O que ele estava aprontando? O que mais ele poderia fazer para deixá-la mais feliz do que já estava? Se é que isso era possível.
Pedir ela em casamento?? u.u

-O que está pretendendo hoje Sr. Salvatore? Me deixar totalmente sem palavras?
Isso ele já faz todos os dias só pela beleza dele u.u

Com uma velocidade inumana o vampiro puxou as mãos da garota para frente deixando-as palmas abertas para cima.
Uollll!!!
Manas me digam... porque não existi um homem assim na minha vida???

O anel resplandecia com um brilho intenso, fazendo com que os pequenos diamantes incrustados resplandecessem várias cores ao receber os raios de sol, fazendo com que Vanessa revezasse em encarar o objeto em suas mãos e os dois globos azul, logo a sua frente.
Oooow que anel lindo vey!!!

-Estou arriscando parecer um completo idiota apaixonado. Mas lhe digo uma coisa: não estou apenas parecendo – disse inclinando a sobrancelha e exibindo um sorriso. - Há exatamente dois anos atrás eu diria que o amor é inútil, só traz prejuízos, mas você me transformou em algo que eu nunca pensei que seria, e o mais impressionante: não me importo com isso. A única coisa que me importo é de tê-la ao meu lado, todos os dias, para sempre. Você já tem meu coração, e mesmo sendo um vampiro sem ele não posso viver. Você me mudou porque eu me permiti mudar. Mudar por você. E agora como prova de minha mudança eu lhe peço: Vanessa quer ter ‘Salvatore’ como seu último nome? Quer ser minha para sempre?
Mell deus manas.... que lindooo!
Tipo... que jeito maravilhoso de ser pedida em casamento...

O sorriso que o tomou conta das feições do moreno era largo e demonstrava toda a alegria e a satisfação que sentia. Os olhos de Damon, duas esferas azuladas, cintilavam de puro êxtase em ter recebido o sim da mulher que amava.
Estou imaginando a cena gente...
Damonzito lindo todo bobo apaixonado....


Vaanny pulou novamente em cima do namorado, sentindo-o girar com ela em seus braços, ouvindo o som do sorriso dela. Era o dia mais feliz de toda a sua vida, e mais uma vez o responsável por ele era Damon. O seu Damon. E agora, finalmente, ele seria seu para todo o sempre.
Aaaaaaaaaaaaaaaawwwn que lindooooooooo!!!

-Se há alguém aqui que saiba de algo que possa impedir este casamento apresente-se agora, ou cale-se para sempre.
Se vier algum filha da puta atrapalhar esse momento eu mato porrah!!


As batidas continuavam cada vez mais altas, fortes, ritmadas. O coração da noiva estava a ponto de sair pela boca enquanto seus olhos estavam levemente arregalados. O que estava acontecendo ali? Logo em seu casamento? No dia mais importante de toda sua vida?
Quem é o corno vey???

-Seu padre – o mais baixo começou, adentrando a catedral, um modo de andar despreocupado – eu tenho algo que impeça esse casamento: o noivo é um vampiro.
Quem é o FDP vey????! Aiii que odio pow!


-Meu nome é Dean, Dean Winchester. E estou aqui para alertar os presentes que nosso mundo é habitado por seres sobrenaturais, mas graças a mim e a meu irmão – indicou o outro estranho – Samy, mas principalmente a mim, vocês estão protegidos, não precisam agradecer, é eu sei sou um cara modesto. – Terminou exibindo um sorriso.
ooookey gente... retiro o que eu disse... ele não é um fdp não! kkkkkkkk Amo muito o Dean! kkkkk
Acreditam que eu estou rindo do Dean vey! kkkkkkkkkkkkkkkk

-Vai lustrar os caninos, descendente de morcego. – Dean respondeu olhando de forma ameaçadora para o vampiro. – E acho bom se afastar de Vanessa se pretende continuar com sua cabeça em cima do pescoço.
Eu estou rindo muito pow!!! Me recupero de um ataque de risos e vcs mandam essa e me fazer rir tudo de novo! kkkkkkk

Damon se preparava para retrucar Dean quando Samantha o interrompeu dando um passo para a frente:
E la vai a Samy com a falta de paciência fodastica dela...

-Cara, eu não lhe aconselho a ameaçar meu irmão. Quem você pensa que é para achar que tem o direito de invadir um casamento, dizer asneiras, e ainda falar que vai arrancar fora a cabeça de MEU irmão? Cai fora, o irmão é meu e sou a única que tem permissão de ameaçá-lo. – Disse em uma voz surpreendentemente ameaçadora.
Como eu disse: e la vai a Samy com a falta de paciência! kkkkkkkk

-Sangue suga é seu avô, projeto mal feito de Van Helsing. – Damon voltou a cortá-lo.
Eu to morrendo! OMG!!! Eu to rindo muito manas! estou totalmente sem ar!! kkkkkkkkkkkk

-Não saio daqui sem Vanessa, se você quer ir pode ir, mas nem pense em encostar um dedo no meu Impala. Minha boneca fica onde tá. Você tá precisando mesmo de um exercício, o último metamorfo que achamos quase acabou com você.
Porrah, ele quer a mamys?? *o*
AAi ai ai o Dean e seu ciumes pelo empala dele...


As pessoas que estavam mais próximas se atropelaram afastando-se.
Mais um ser para atrapalhar tudo po!!


-Mas que mané escrituras o que Cass? – Dean o cortou. – A não ser que essas escrituras dizem que Vanessa deve ficar comigo, não acredito em nenhuma delas.
Mamys esta seduzindo todos vey! kkkkkkkkkkkk
Falta só o Aodh para ela seduzir pow!! ai já fica com todos os caras que amo!! kkkkk

Os olhos violetas dele
Olhos violetas?? Eu que alguem d tem olhos violetas mais não lembro quem!
Vou continuar lendo para saber vai!

-Nasceu pra você? Ah, fala sério! Você é um anjo! Anjos não deviam ser... Sei lá, castos? –Keroll resmungou fazendo uma careta.
Tinha que ser minha maninha Keroll para interromper esses momentos com um berro e uma piada! kkkkkkkkk


-Ela não vai se casar com um monstro! – Daniel fez uma careta para Damon. – Pense bem Vaanny, ele não pode te amar tanto quanto eu te amo! Ele é um vampiro, um monstro. Um ser sádico, sem alma, sem bondade. Como ele pode dar a você o que você tanto merece?
Porra! Até o Daniel! kkkkkkkkkkkkkk
tipo né... mana seduziu: um anjo, um anjo caido, um van helsing de quinta e um vampiro!! OMG em!!

-Que intimidade é essa com a minha esposa?! – Damon deu um impulso para frente, sendo segurado por Samuel. –Me larga ô cabelo de macarrão! Senão quem vai levar umas porradas aqui é você!
Eu estou rindo muito! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk minha mãe já mandou eu cala a boca umas 10 vezes! kkkkkkkkk

-Mas que mania desse povo de me chamar de nanica! – gritou furiosa. – O próximo que me chamar de pequena, eu juro que arranco a cabeça fora!
To falando po... essas anãs são todas revoltadas e bravas Shocked ! a Jady é uma... a mana Keroll no livro é outra! A Smay então.. VIXeeeeee nem se falee! kkkkkk

-É isso aí – Jady entrou na conversa. - Circulando galera, aqui não é show de caridade nem abrigo pra sem-teto! Vão pegando a BR.
Mann! Isso é muito Jady vey! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
eu to rindo de mais!

-Isso não é hospício nem parque de diversões pra vocês entrarem sem ser convidados contando histórias sem sentido. – Paty apoiou a irmã.
Isso ae vey! Concordo comigo!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

-Adoro as poucas vezes que você fala algo que preste, maninha. São momentos tão raros, mas quando aparecem melhoram muito meu dia.
Esse Damon bebe só pode né???
PQP! kkkkkkkkk Ela tá de ajudando ooow! kkkkkkkkkkkkk

-Não sei quanto aos elfos, mas bruxas e lobisomens lhe garanto que existem, assim como os mentalistas. – Samuel aproximou-se respondendo aos pensamentos do padre.
o Samuel não é nada delicado para dar uma noticia dessa para o padre neeh! kkkkkkkkk

-Manas enquanto vocês estão ai discutindo, a catedral corre riscos de ir a baixo. – Paty alertou-as, enquanto Troy a segurando pela cintura como se estivesse protegendo-a de algum perigo iminente, mantendo-a firme entre seus braços.
Vixxeeeeeeeeeee! Viu só sou a unica sensata ram!!!
Troy me pegando pela cintura igual a eu pirando!!!!!

A garota sentiu o sangue fervendo, a histeria quase tomando conta de si mesma. Eram sentimentos que ela jamais esperara sentir em seu casamento: raiva e desespero. Como podiam fazer aquilo? Invadir seu casamento, ofender seu noivo, implicar com suas filhas e com sua sobrinha, estragar tudo achando que eram seus donos!
Grita logo nessa porrah mãe!!! kkkkkkkkk

-Tia Vaanny tá nervosa. – Dayne disse baixinho ao irmão em sua voz fininha e doce.
Eu to rindo muito imaginando a mamys nervosa genteee! kkkkkkkk

-Ok, ok, mas deixem-me terminar. Dean, Cass, Daniel e Sam, o que estão fazendo aqui? Vocês não deveriam existir de verdade. Vocês são apenas personagens de algumas das minhas histórias preferidas. Não deviam estar aqui.
Uoooooooooollll!
Agora confundi!!!
Uoll....

-TANTO FAZ – a noiva gritou sem virar pra ver quem havia dito aquilo, porém assombrou-se ao ver quem era - Edward? – pediu sem acreditar – Edward? – voltou a perguntar incrédula – Edward Cullen?
Manoooooooooooooooooo que isso!!! Vocês fumarão uns backs ou beberão enquanto escreviam isso só pode! kkkkkkkk
eu to rindo muito!!!!!

-Sem contar que metade dos aqui presentes é real graças à imaginação, inclusive seu noivo, os pequenos ali – indicou Dayne e Daniel – juntamente com seu personagem Samuel e os irmãos de seu noivo, Stefan e Samantha.
Manaaaaaaaa! se vcs me disserem no final que tudo foi um sonho eu mato vocês poo!


-Não diga isso de Stef, Damon, ele é nosso irmão. E poxa... – seus olhos foram até Edward vendo a pele do vampiro brilhar como cristais a fraca luz de fim de tarde –... cara você brilha – disse fascinada. - Por que eu não brilho? – pediu desapontada. – Eu quero brilhar – completou sonhadora.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Eu to sem ar vey!!!!!!!

-Se joga na purpurina, maninha. Ou melhor: por que você não mostra a saída par ao Sr. Cintilante? Ele pode lhe indicar o melhor lugar, a melhor marca, e coisas assim para que você acerte de primeira na purpurina.
Damon sempre sarcástico neeh!
kkkkkkkkk

-Ele quis dizer que você é um anjo diferente do que nós humanos estamos acostumados, Cass. Aqui anjos são descritos como seres de cachos dourados, olhos azuis e asas enormes. – Sam explicou.
Então okey gente... alem das asas eu sou um anjo! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk cachinhos loiros e olhos azuis! É eu mesmo ow! kkkkkkkkkkkk

Com agilidade retirou um anel delicado de prata que usava, e afastando-se um pouco do tumulto, manteve a mão aberta de palma para cima enquanto fixava seus olhos no anel pousado ali.
Que porrah é essa???

-Não precisa sentir-se assim, Vaanny – a voz melodiosa de Edward soou próxima à garota. –Talvez seja um sinal, um sinal de que você não deve casar-se com esse homem. Você merece alguém melhor, Vaanny, alguém que te faça se sentir a mulher mais amada do universo. Eu posso fazer isso por você. Só precisa dar-me essa chance. Só precisa pegar minha mão, e então sairemos desse hospício e nunca mais olharemos para trás.
Edward tambem po??? Caramba mamys... você está roubando todos os caras lindos e maravilhosos que eu já gostei ou amo! Só falta o Aodh agora....


-Que Ficar com você o que ô cara e fuinha, Vanessa nasceu para mim, somente eu poderei protegê-la de seres iguais a vocês. Eu a manterei protegida e feliz – Dean avançou empurrando a mão de Edward para longe e ficando de frente a Vanessa. – Venha comigo Vaanny, sou divertido, bom partido e lhe ofereço proteção de qualquer ser seja ele vampiro, lobisomem, transmorfo, fantasma, ou estátua de cera possuída.
Estatua de cera possuida foi fodah em! kkkkkkkkkk


-A noiva não deveria amarrotar o vestido. – Disse com uma piscadela enquanto ia em direção ao irmão.
Por isso que adoro a Samy poxa... sempre pensando no look dela...

-Isso é vergonhoso. Você está apanhando de alguém mais baixa, que aparenta ser mais nova, e que ainda por cima é uma mulher. Esperava mais de um caçador.
Que decepção em Dean! kkkkkkkkkkkk

-É hoje que vamos ter o prazer de despenar um anjo. – Denise comentou transformando os olhos em fendas.
Mana deeh está tão... maléfica!!

-Não. Minha escolha é Damon e não pretendo alterá-la.
Isso ae mamys!!
Damonzito SEMPRE!!!


Jady levantou novamente a bolça acertando o outro lado do rosto do anjo antes que ele se recuperasse.
Do jeito que eu conheço a minha maninha era mais facil ela dar um soco logoo! kkkkkkkk


-Nos metemos na conversa quando bem entendermos, a mamys é nossa e queremos como papys o Damonzito e não um palerma com cabeça de macarrão. – Giulia o cortou quase arrancando fora a asa de Daniel.
Um palerma gostosão mais um palerma..

Paty havia avançado para o louro acertando em cheio o punho no rosto do anjo com o máximo de força que conseguiu reunir.

-Vá comprar uma auréola e vê se nos erra. – Disse ela, pronunciando as palavras silabicamente.
Vey.... acho bom eu não ter amassado minha roupa.....


Um segundo depois olhou para Samantha, assentindo. A mestiça abriu um sorriso satisfeito voltar-se para Damon:
num tendi gente.... kkkkkkkkkkk

As pupilas do moreno dilataram-se completamente, e quando retraíram-se, levaram consigo o tom azulado da íris do garoto, deixando um negro profundo. O terno fora substituído por um colete preto de couro, calça também de couro da mesma cor, botas e uma capa negra que continha um capuz.
Eu acho que eu conheço essas roupass..... I love you

-Bela chegada, primo – a loira concluiu com uma piscadela. – Vamos dividir as tarefas? Você cuida dos intrusos mal amados e me dá cobertura enquanto eu me concentro em deixar meu irmão entrar sem que seja necessário colocar a catedral em destroços?

Aodh sorriu para a prima.
Calma.. não entendi... o Aodh se transformou no Damonzito vey??? ou eu estou entendendo tudo errado!!
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHH O AODH CHEGOUUUUUUUUUU!!! calma... deixa eu gritar mais um pouquinho AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHH! pronto acabei! kkkkkkkk


-Gostei do truque, primo - a garota estralou o pescoço alongando os braços. – Minha vez. Agora não me julguem se não conseguir de primeira, não tenho exatamente o que se pode chamar de uma longa experiência com meu lado bruxa, sabe como é poderes preguiçosos resolveram ficar dormindo durante um século e algumas décadas, por culpa de algumas misturas indesejáveis de linhagens e venenos. – Disse revirando os olhos, antes de fechá-los por alguns segundos.
Essa brincadeira da Samy e do Aodh é foda em gente! kkkkkkkkkkk

Vanessa se boquiabriu quando seus olhos foram de encontro ao homem parado na porta do helicóptero com as imensas hélices girando de forma barulhenta contra o céu já negro
éééé meu amorzinho (Aodh) se transformou mesmo no Damonzito....

-Não se gabe ainda, maninha. Ainda posso tirar satisfações com cada um deles em outra ocasião. – Disse jogando para a irmã o anel que ela lhe mandara como aviso através da magia para dizer que era a hora de ele dar a graça de sua presença.
E que graça em! kkkkkkkkkkkk


-Shhh, agora está tudo bem, – voltou a sussurrar - vamos, ainda temos um casamento pela frente. E desta vez ninguém interromperá. Ninguém me impedirá de tê-la somente para mim. Você e minha. Somente minha, e não abrirei mão disso. Nunca. Para ninguém. Ninguém irá tirá-la de mim, podem tentar o quanto que for, mas nunca conseguiram. O máximo que conseguiram será acumular tentativas falhas, uma após a outra. Você será para sempre minha. – Os olhos do vampiro fitavam-na com tamanha intensidade que a hipnotizavam, deixando-a incapacitada de pensar ou olhar qualquer outra coisa a não ser o oceano azul dos olhos dele.
Damonzito nada posessivel...

Vanessa assentiu, ainda sem compreender direito. Era muita coisa para processar em tão pouco tempo.
Para falar a verdade nem eu intendi direito! kkkkkkkkkkk


Vanessa concordou seguindo o olhar dele e lançando um olhar abrangente para todos enquanto um sorriso voltava aos seus lábios.
Isso ficou tão... fuga de espiões apaixonados! kkkkkkk
Amey vey!

-Cuide bem dele está bem? – pediu para a morena, fitando-a com firmeza. – E se precisar da minha ajuda quando ele resolver dar uma de difícil pode me chamar – completou dando um cascudo de leve no irmão.
Samantha tambem não perde a chance de dar uns cascudos no Damonzito né! kkkkkkk
Que relação lindaa *.*


-Viu tia Vaanny? Se não fosse por eu e a mana não teria casamento. Eu e a mana salvamos o dia. – O irmão continuou passando um dos braços em volta da irmã, puxando-a para si com um sorriso no rosto, ainda segurando as alianças.
Aaaaaaai como esses dois são lindooss mel deuss!!


-Obrigado por me dar vida através de sua imaginação.
Esse Samuel pode até ser um chato ameba mais ele é fofinho vai!!
Malss ae mana dee!

-Concordo, Samuel com certeza não é de se jogar fora. – Jady admitiu.
Jady como sempre achando alguem gostoso! kkkkkkk

O homem estava imóvel, os olhos vazios, a boca entreaberta.
Padre entrou em choque porque a mamys fugio com o Damonzito! kkkkkkk
Ele queria o corpo do Damonzito nú tambem!


A catedral, agora quase vazia, começava a voltar à normalidade. O teto voltara ao normal assim que Vanessa e Damon estavam seguros dentro do helicóptero. Daniel havia saído em seguida nada satisfeito e com várias penas a menos, suas asas meio tortas davam a impressão de que estava desequilibrado. Dean para não ter feito uma viajem totalmente perdida, já que não havia conseguido convencer Vanessa, resolveu esperar que o padre se recuperasse para pedir que benzesse um pouco de água, para o caso de encontrarem algum demônio pelo caminho.
aaaaahh, coitadinho do Daniel gente.... Ele é tão lindo.. ele e o Cam! (mais ele é seu okey mana Keroll... só quero o Troy como marido e o Aodh como amante!).
kkkkkkkk Dean sempre previnido vey!


Ouviu-se alguns xingamentos e algumas expressões de surpresa enquanto o padre saia em disparada correndo em direção a saída arrancando a batina.
Gente eu to morrendo! kkkkkkkkkkkkkkk estou imaginando o padre correndo com as mãos para cima! OMG minha barriga doi de tanto rir!


Lentamente a garota sentiu quando Stefan pousava o helicóptero. Fora realmente uma surpresa ver o cunhado pilotando o helicóptero, mas agora sim ela entendia o porquê de sua ausência no casamento.
Stefan meio que segurando uma velinha né!!
Irmãos só seguram vela mesmo!!

Vanessa com a ajuda de Damon pulou do Helicóptero, cuidando para não sujar, amassar ou fazer qualquer coisa que pudesse prejudicar seu vestido.
Isso ae!! o Vestido tem que continuar inteiro! kkkkkkkkk

Ela levou as mãos à boca, quase inconscientemente. Estivera naquele mesmo lugar diversas vezes antes, mas nunca à noite. Ela nunca tivera o prazer de visualizar aquele parque numa noite de lua cheia. O parque dos dois, banhado com a luz da lua deixava tudo ainda mais mágico do que já costumava ser. As árvores faziam sombra enquanto a luz da lua refletia no lago, lançando luz para todos os lados.
Gente que coisa mais linda pow!!!
Amey amey!

-Viu Tefinha? Aprenda com seu irmão mais velho, é assim que se trata uma mulher – disse enquanto rodeava a cintura da garota com um dos braços e a guiava pelo parque.
Damonzito como sempre tirando uma da cara do Tefinha coitado....

-Estava falando com minha cunhada Damon, não te ensinaram que entrar na conversa dos outros é falta de educação?
Aaaaaaaaai krl! essa doeu em! PQP!

Suas vestes não deixavam dúvidas sobre sua profissão: era um padre. O padre que celebraria seu casamento com o homem de sua vida.
Isso sim que eu chamo de "um casamento reservado"!

Damon tomou o braço da noiva no seu, fazendo a garota segurar o buquê com a mão esquerda. Enquanto isso, Stefan pegava gentilmente as alianças, segurando-as cuidadosamente enquanto praticamente corria até o lado do padre. Ele seria o porta-alianças, percebeu Vaanny com um sorriso de agradecimento ao cunhado.
Stefan Daminha de honra! kkkkkkkkkkkkkkkkk
Parey de chamar o Tetefi de Gay vai gentee!

-Com licença, Sr. Padre – Damon cutucou o padre com a mão livre. – Será que dá pra pular pra parte do sim? Nenhum de nós dois está pensando em dar uma resposta contrária. – Terminou com uma piscadela.
Eu Sabia que o Damon ou a mamys ia fazer isso! kkkkkk
Sabia vey!


-Com prazer padre. Venha Tefinha, sem enrolação, me alcance logo essa aliança que quero que chegue logo a parte do beijo.
Ele quer que chegue logo a parte da Lua de mel isso sim! kkkkkkkkkk

-Seu sonho de ser daminha de honra como profissão infelizmente não vai se realizar Tefinha, você é péssimo nisso. – Damon disse ao irmão. Stefan apenas o ignorou, reprovando-o com um olhar.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk To falando que o Tetefi queria mesmo ser Daminha de honra! kkkkkkkkkk
Damon fodasso! eu to rindo muito com as provocações!

Esse alguém era Damon, e ela pouco se importava se ele era um vampiro e cometera graves erros no passado. Era passado, Damon já havia lhe provado que era diferente do Damon de anos atrás. Ele era seu Damon. Único, especial, divertido, romântico, sexy... Somente seu.
E bota sexy nisso em mamys!!
Será que é crime assediar o padrasto? scratch


Uma lágrima escapou dos olhos castanhos da moça, caindo escorrendo suavemente pelas bochechas até alcançar os lábios dela que estavam abertos num sorriso de pura felicidade.
Olha a maquiagem mamys!!

-Prometo – começou ele, seus olhos invadindo-a, uma maneira que só ele conseguia desvendá-la, uma maneira que apenas ele a fitava, um olhar que ele era o dono legitimo, suas mãos segurando a mão da noiva com delicadeza enquanto subia lentamente a aliança de ouro em seu dedo - lhe pegar no colo quando surgir uma poça d' água no meio do caminho; Prometo lhe entregar minha jaqueta quando estiver com frio, até mesmo minha jaqueta de couro preferida; Prometo que quando olhar para alguma mulher que não seja você, será apenas para dizer: você é a mais bela; Prometo não fazer tudo que você me pedir, porém fazer sempre o que sei que realmente lhe deixará feliz; Prometo sempre guiá-la nos momentos de escuridão, prometo ser sempre a luz de sua esperança, pra que dessa forma eu possa admirar o brilho de seus olhos; Prometo transformar suas lagrimas em sorrisos, e prometo fazê-la rir ao ponto de chorar; Prometo que nunca a amarei da mesma forma que a amei no dia anterior, mas sim amá-la cada dia mais, de uma forma infinita, que nunca terá um limite. Somente lhe amarei, hoje muito, amanhã muito mais; Prometo fazer de seus sonhos os meus também e juntos alcançaremos todos; Prometo surpreendê-la todos os dias, mas em um dentre esses dias surpreendê-la em dobro; Prometo que juntos iremos aproveitar cada dia como se fosse o último, e ao mesmo tempo viver cada dia como se fosse o primeiro, o primeiro dia ao seu lado; Prometo que todas essas são promessas que eu cumprirei, e que dentre elas há muitas outras que não me vem à cabeça no momento, mas que mesmo sem dizer eu seguirei; Por fim prometo estar sempre aqui. Prometo ser inteiramente e unicamente seu hoje, amanhã e por toda a eternidade. Prometo que você sempre será a única dona do meu coração.
Em resumo a todos esses ‘prometo’ – continuou, terminando por fim de subir a aliança e levando a mão da noiva ate os lábios, beijando-a de leve - digo apenas uma frase, três palavras, quatorze letras... Para sempre: você.
My god manasss! Vocês tem uma ernorme facilidade de me fazer chorar e rir ao mesmo tempo né!!!
Chorando aqui que nem uma boba pelo momento, e rindo pelos: Prometo lhe entregar minha jaqueta quando estiver com frio, até mesmo minha jaqueta de couro preferida e o Prometo não fazer tudo que você me pedir, porém fazer sempre o que sei que realmente lhe deixará feliz;
Estou chorando tambem pela musica né!!

Palavras são lindas? Sim, muito. São importantes? Sim, igualmente muito importantes. Porém o brilho de nossos olhos nestes momentos dizem tudo o que nossos lábios não são capazes de pronunciar. Eles falam por nós. Sentimentos não são facilmente descritos, mas nossos olhos mais até mesmo do que nossas palavras conseguem traduzi-los.
Exatamente isso manas!!
Vocês adoram dar lições de vidas nas fics né!
Adoro isso!!

-Bem – o padre finalmente conseguiu recuperar-se e dizer – então eu os abençoo como marido e mulher. O noivo pode beijar a noiva.
Aleluiaa porrah! kkkkkkkkkkkkk


Os lábios dele eram ao mesmo tempo sedentos e gentis ao contato com os dela. Sedentos por deixar claro que ele a queria, a queria mais do que tudo. Gentis porque sabiam que agora ela era só dele, apenas dele. Suas línguas se encontraram provando que a mesma sensação presente no primeiro beijo dos dois ainda estava ali, mais forte do que nunca, assim como Damon havia dito: Prometo que nunca a amarei da mesma forma que a amei no dia anterior, mas sim amá-la cada dia mais, de uma forma infinita, que nunca terá um limite. Somente lhe amarei, hoje muito, amanhã muito mais.
Aaaaaaaaaiii que lindoo! imaginei tão... filme isso tudo!!


Amar é...
Sorrir por nada e ficar triste sem motivos
É sentir-se só no meio da multidão,
É o ciúme sem sentido,
O desejo de um carinho;
É abraçar com certeza e beijar com vontade,
É passear com a felicidade,
É ser feliz de verdade!

Albert Camus
Aaaaaii que lindoo...


Manaasssssss eu simplesmente AMEY a historia... de verdade!!
Nunca escrevi um comentes tão grande acho...
Ficou simplesmente perfeito cada detalhe.
Awwwwn manas... eu simplesmente amey as minhas participações...
Amey o primeiro encontro dos dois...
Amey o casamento...
Amey o meu Aodh estar na fic (mesmo que ele não estava comigo mais estava pertinho de mim u.u olha eu traindo o Troy u.u)
Ou seja... eu simplesmente AMEY tudo mesmo!
Ficou perfeita, acho que foi um otimo presente para a Mamys em!!!
O tamanho ficou grande por isso que demorei uns 4 dias para ler...
Preguiça é fodah né.
Mais, eu li e amey!
Chorei muito, ri mais ainda mais no final chorei d+++.
Ando muito dramática esses tempos...
Bom.. é isso manas.
épela historia, escreverão perfeitamente bem!
Parabéns Mamys S2
Beijinhosss
Patricia Fernandez (Patty)
avatar
Delena_Somerhalder

Mensagens : 227
Data de inscrição : 25/03/2012
Idade : 21
Localização : Na caminha do Kol. Junto com ele e com o Damon.

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Para sempre: você [dedicado para Vaanny/ por Denise e Keroll]

Mensagem por Delena_Somerhalder em Dom Ago 05, 2012 10:46 pm

Sorry meninas... exagerei no coments *o*!
bjsss de novo!
avatar
Delena_Somerhalder

Mensagens : 227
Data de inscrição : 25/03/2012
Idade : 21
Localização : Na caminha do Kol. Junto com ele e com o Damon.

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Para sempre: você [dedicado para Vaanny/ por Denise e Keroll]

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum